China promete esforço no combate à mudança climática

NOVA YORK - O presidente da China, Hu Jintao, anunciou nesta terça-feira que seu país fará um grande esforço para combater a mudança climática, e pediu responsabilidade aos países mais desenvolvidos para que reduzam suas emissões e ajudem as outras nações a fazer o mesmo sem sacrificar o crescimento destas.

Redação com agências internacionais |

"Tentaremos reduzir até 2020, em uma notável margem, as emissões de dióxido de carbono por unidade de Produto Interno Bruto (PIB) em relação ao nível de 2005", prometeu Hu, durante seu discurso na cúpula sobre mudança climática realizada hoje nas Nações Unidas.


Hu Jintao discursa na ONU / AP

Hu, que discursou depois do presidente dos EUA, Barack Obama, não ofereceu muitos números que concretizassem esse compromisso do "maior país em desenvolvimento do mundo", mas insistiu em que tentará fazer da China, onde vive 20% da população mundial, "um país inovador e que respeita a mudança climática".

Segundo ele, toda a comunidade internacional deve assumir suas próprias responsabilidades, buscar o benefício mútuo de todos para alcançar um objetivo comum, respeitar o desenvolvimento das economias que mais precisam e garantir que as medidas tomadas serão acompanhadas do financiamento e das novas tecnologias que requerem.

Hu defendeu que os países mais industrializados e poluentes devem garantir também o acesso das economias menos desenvolvidas às tecnologias e ao financiamento necessários para respeitar o meio ambiente sem colocar em risco seu crescimento.

"O mundo espera de nós que tomemos uma decisão para enfrentar a mudança climática, um assunto que sustenta a sobrevivência e desenvolvimento humanos", disse Hu, que reivindicou uma especial atenção para as ilhas, os países sem saída para o mar e os Estados africanos.

Sobre seu próprio país, disse que tomou "e continuará adotando passos decididos e práticos para enfrentar este desafio e dar assistência a outros países em desenvolvimento, na medida em que pudermos".

"Faremos novas doações à luta contra a mudança climática, ao mesmo tempo em que aceleramos a transição para uma sociedade que conserve seus recursos e respeite o meio ambiente, para fazer da China um país de inovação", prometeu o líder chinês.

Entre outros passos, disse que o plano nacional contra a mudança climática adotado em seu país inclui um aumento do uso de energias renováveis até 2010, em comparação ao nível de 2005.

O líder chinês concluiu seu discurso com uma chamada à "atitude responsável" da comunidade internacional, tanto em relação a cada país quanto aos interesses gerais, e disse que "a China está preparada para dar as mãos a qualquer país que queira construir um futuro melhor para as próximas gerações".

Cúpula climática da ONU

A conferência foi aberta nesta terça-feira pelo secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, que afirmou que seria " moralmente indesculpável " um fracasso dos líderes mundiais este ano na tentativa de alcançar um acordo para combater o aquecimento global.

Ele abriu o encontro na sede das Nações Unidas em Nova York dois meses e meio antes da conferência de Copenhague, que vai tentar selar um acordo posterior ao Protocolo de Kioto.

O evento desta terça-feira, convocado por Ban, reúne quase cem chefes de Estado e governo. Os líderes do G20 (grupo de países desenvolvidos e emergentes) devem discutir a questão nesta semana na sua cúpula de Pittsburgh. No entanto, exceto se houver algum avanço importante na cúpula da ONU, há pouca expectativa de progresso no encontro do G20.

(*Com informações das agências Reuters e EFE)

Leia também:

Leia mais sobre: mudança climática

    Leia tudo sobre: acordo climático

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG