Paula Miraglia

Antropóloga analisa segurança pública, justiça e cidadania

Antropóloga e diretora geral do International Centre for the Prevention of Crime, Paula analisa segurança pública, justiça e cidadania

Sem solução, apenas violência

Para além das imagens tristes, desocupação de terreno evidencia os desencontros da Justiça e a subversão completa de valores

23/01/2012 18:57

  • Mudar o tamanho da letra:
  • A+
  • A-
Compartilhar:

Diante da violência e dramaticidade das imagens do processo de reintegração de posse na comunidade do Pinheirinho, em São José dos Campos, fica impossível não lembrar imediatamente das recentes ações da Polícia Militar - igualmente violentas - na USP, na Cracolândia e nas manifestações na avenida Paulista.

Leia também: Moradores e PMs voltam a se enfrentar em São José dos Campos

Abordar a situação afirmando que a polícia “tem obrigação de cumprir uma ordem judicial” é um recurso pouco honesto, que não enfrenta o fato de que a violência não é uma premissa de toda e qualquer intervenção policial, mas sim uma escolha estratégica de como fazê-lo.

Foto: AE

Famílias durante a desocupação do Pinheirinho, em São José dos Campos, interior paulista

Nesse sentido, quando foi que a violência institucional voltou a ser o modus operandi preferencial da gestão de conflitos em São Paulo? E o mais grave, quando os abusos policiais passaram a ser tolerados? Porque a sequência de acontecimentos sem nenhuma resposta concreta em termos de apuração e consequências só faz crer que não há aleatoriedade nos casos, mas que essa é uma orientação que veio para ficar.

Por mais difícil que seja acreditar que essa é a imagem que a corporação deseja cultivar, ao que tudo indica, estamos retrocedendo a um tempo de pura polarização, onde a polícia vem se colocando a serviço da reprodução das desigualdades.

Do ponto de vista da política pública, a reintegração está longe de poder ser considerada uma solução. Além dos presos e feridos, resta saber para onde, afinal, vão essas famílias?

Assim como no caso da USP e da Cracolândia, a “situação irregular” foi usada para desqualificar os moradores do local. Como se a disputa judicial lhes privasse todo e qualquer direito, como se sua cidadania estivesse suspensa.

A verdade é que são mais 1600 famílias que ao longo de 8 anos fizeram do local um bairro. Chamar Pinheirinho de área invadida como justificativa para tamanha brutalidade é desqualificar a história dessa comunidade assim como seus direitos fundamentais.

Para além das imagens tristes, episódio evidencia os desencontros por parte da Justiça, o interesse privado prevalecendo sobre o público e a subversão completa de valores: pessoas que mais precisam da assistência do Estado sendo vítimas dele.

Sobre o articulista

Paula Miraglia - pmiraglia.coluna@gmail.com - Antropóloga e diretora geral do International Centre for the Prevention of Crime, Paula analisa segurança pública, justiça e cidadania

» Mais textos deste articulista

    Notícias Relacionadas



    Previsão do Tempo

    CLIMATEMPO

    Previsão Completa

    • Hoje
    • Amanhã

    Trânsito Agora

    INDICADORES ECONÔMICOS

    Câmbio

    moeda compra venda var. %

    Bolsa de Valores

    indice data ultimo var. %
    • Fonte: Thomson Reuters
    Ver de novo