Golfinhos podem 'enxergar' fetos na barriga de mulheres grávidas?

Por Alessandro Greco - colunista do iG* |

compartilhe

Tamanho do texto

Cientistas especulam que sistema de ecolocalização pode fazer com que golfinhos tenham "visão de raio x"

Getty Images
Trio de golfinhos nariz-de-garrafa: enxergando bebês nas barrigas de suas mães

Pode parecer conversa de maluco, mas é possível que os golfinhos sejam capazes de “enxergar” fetos dentro da barriga de mulheres grávidas.

Relatos sugerem os golfinhos tem um interesse ímpar por mulheres grávidas. Eles nadariam em direção a elas e emitiriam seus sons de ecolocalização loucamente perto da barriga das grávidas, tanto humanas quanto fêmeas de sua espécie.

Segundo a neurocientista Lori Marino, da Universidade de Emory, nos Estados Unidos, eles usariam seu sistema de “ecolocalização” – no qual emitem sons e ouvem o eco deles, o mesmo princípio da ultrassonografia —, para identificar formas e objetos.

Leia as colunas anteriores

Lori acredita ainda que provavelmente eles são capazes de enxergar algum tipo de imagem do bebê e consequentemente é possível que sejam capazes de “enxergar” a gravidez de outros golfinhos.

Entre eles: Golfinhos são 'salvos' por chamado de filhote na Austrália

No entanto, estes relatos por enquanto não passam de descrições não científicas. O professor de história da medicina da Universidade de Glasgow, na Escócia, Malcolm Nicolson, concorda com Lori que os golfinhos possam ser capazes de detectar a gravidez em uma mulher, mas isso ainda é especulação. Para Lori e Nicolson, o próximo passo é fazer um estudo rigoroso para provar que isto realmente acontece.

Veja outras habilidades dos golfinhos:
Os “superpoderes” dos golfinhos

Golfinhos que 'pescam' com conchas surpreendem cientistas
Computador vai ajudar no entendimento de linguagem de golfinhos
Golfinhos aprendem a "andar" sobre a água por diversão, diz estudo

Golfinhos machos usam violência para aliviar frustrações

O que se sabe atualmente é que golfinhos são capazes de perceber formas através de uma barreira opaca como uma caixa – o que não significa dizer que eles entendam o que estão vendo por detrás da parte opaca. Para Mike Walsh, veterinário de animais aquáticos da Universidade de Florida, nos Estados Unidos, a tese faz sentido, já que a água é o meio perfeito para o ultrassom, mas não que eles entendam necessariamente que aquilo que veem dentro do corpo da mulher é um filhote.

Com humanos: Pesquisadora quer provar que pode se comunicar com golfinhos

A ecolocalização dos cétaceos também já inspirou cientistas a buscarem desenvolver sistemas de localização em águas rasas que é dificultada pelas bolhas de ar que “cegam” os sonares tradicionais. Essa é só uma das características dos golfinhos que intrigam a comunidade científica: sua capacidade de cicatrização e detecção de campos elétricos, entre outras, já lhe renderam o apelido de "super-herói" do reino animal.

*Alessandro Barros Greco é jornalista e engenheiro mecânico pela POLI-USP. Escreve sobre ciência desde 1998. Acredita que falar sobre ela ajuda as pessoas a viver melhor. Foi o terceiro brasileiro a receber a bolsa Knight Science Journalism Fellowship do Massachusetts Institute of Technology (MIT)

Leia tudo sobre: ciência em focogolfinhoscetáceosanimaisbiologia

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas