O mundo nunca foi tão próspero, com tanto dinheiro guardado para investir. Mas, para quem precisa de ajuda agora, de onde virá o socorro tão premente?

Existe uma crença generalizada de que um dos fatores que fizeram os Estados Unidos sair derrotados da Guerra do Vietnam foi o fato de que a Guerra chegou aos lares americanos pela TV, bem na hora do jantar.

Hoje, esse fator está diluído, pela vulgarização das imagens em nossa babel digital, fake, ou real.

Apesar de confrontos, observatório afirma que Síria teve a noite mais tranquila dos últimos dias
Reprodução
Apesar de confrontos, observatório afirma que Síria teve a noite mais tranquila dos últimos dias

Drones, câmeras super-lentas, teleobjetivas com enorme alcance, trazem para perto a tristeza e o sofrimento do outro lado do mundo. 

Leia também: Jornalismo de uma nota só

O último reduto dos rebeldes na Síria chama-se Ghouta Oriental, onde vivem 400 mil civis, que permanecem mais tempo enfurnados em porões, durante os ataques, do que na superfície. Tiros e granadas vêm do exército sírio, enquanto ataques pelo ar são da força aérea russa. Não se trata de uma vila perdida no mundo, a região era frequentada por habitantes de Damasco nos fins de semana. 

Comecei a prestar atenção quando vi imagens diversas de crianças pequenas retiradas de escombros, com o branco pálido da morte na face, braços despencados do colo do pai. Isso tem um nome: holocausto. E não se refere a nenhum dos casos que temos de memória: Ruanda, Congo, Armênia, Bósnia, II Guerra, Vietnam.

Não vingou o armistício para retirar crianças e habitantes vulneráveis da cidade, e os bombardeios prosseguem, sem socorro possível. 

Leia também: uma missão difícil de dar certo (I)

Há muitas formas de eliminar seres humanos da face da terra, dependendo do requinte de crueldade de cada época.

O holocausto em curso é o final de uma guerra da Síria contra os rebeldes, em que a população está no meio do fogo cruzado, “por pouco tempo”, segundo o ditador Bashar al-Assad.

O mundo nunca foi tão próspero, com tanto dinheiro guardado para investir. Mas, para quem precisa de ajuda agora, de onde virá o socorro tão premente?

O burocrático Conselho de Segurança da ONU transcreve resoluções em atas, enquanto crianças são sacrificadas a cada dia.

Leia também: difícil de dar certo (II)

Einstein dizia que o mundo não vai ser destruído pelos que praticam o mal, mas pelos que não reagem às agressões e ameaças. Mas, diante da inércia dos estadistas de hoje, não há muita reação a esperar. 

E para quem passa mal sabendo de mais um holocausto que se desenrola, pouco resta a fazer, a não ser deplorar os motivos e métodos que o homem segue utilizando, sem nada ter aprendido com o passado.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.