Com a morte de Teori Zavascki, a indicação de ex-ministro para o Supremo Tribunal Federal abortou o voopolítico do tucano

Foi numa segunda-feira do fim de dezembro, na pizzaria Nico Pasta & Basta, no Ipiranga. Numa mesa em ala restrita capitaneada pelo governador Geraldo Alckmin e o então ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, sentaram-se sete delegados da cúpula da Polícia Civil.

Leia mais: A radiografia oculta da Lava Jato e o esforço da PF para manter a operação

Reunião com a cúpula da Polícia Civil foi numa pizzaria de um delegado no fim de  dezembro
Marcelo Camargo/Agência Brasil - 24.1.17
Reunião com a cúpula da Polícia Civil foi numa pizzaria de um delegado no fim de dezembro

Alckmin contou que o ministro Moraes seria o candidato do PSDB ao Governo paulista, e gostaria de contar com o apoio da corporação. O grupo chegou a discutir a estratégia de Alexandre de Moraes ser lançado com o discurso de segurança e ordem nas ruas. Tinham o apoio do presidente Michel Temer.

Mas o voo tucano foi abortado diante de uma fatalidade alheia. Com a morte do ministro Teori Zavascki no acidente aéreo, Temer avisou a Moraes que ele seria o indicado, e este informou a Alckmin que o projeto político estava cancelado.

O episódio abriu caminho para outro tucano. Embora crave que ficará na prefeitura quatro anos, com o novo cenário o cotado para a candidatura tucana ao Governo é o prefeito João Dória.

Alexandre de Moraes não quis comentar o caso. O Governo de São Paulo não respondeu sobre a participação de Alckmin na reunião.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.