Tamanho do texto

O espetáculo teatral sobre a vida do renomado compositor portelense Antônio Candeia Filho, Candeia retrata aspectos diversos da vida do compositor, que influenciaram gerações de sambistas até os dias atuais

A peça retrata aspectos diversos da vida de Candeia, compositor que influencia gerações de sambistas
Divulgação
A peça retrata aspectos diversos da vida de Candeia, compositor que influencia gerações de sambistas

“É Samba na Veia, é Candeia” conta a trajetória de Antônio Candeia Filho (1935/1978), mais conhecido como Candeia, um popular sambista portelense. “O cenário reforça todo o simbolismo da trajetória de Candeia como homem negro e crítico social”, frisa o diretor Leonardo Karasek. Com realização da Companhia Alvorada, Projeto Samba de Terreiro de Mauá e produção do Núcleo Coletivo das Artes, espetáculo ficará em cartaz até 18 de março

Leia também: Poderosos, modelos negros são protagonistas de ensaio fotográfico "Ébanos"

“É Samba na Veia, É Candeia” defende o protagonismo de artistas negros
Divulgação
“É Samba na Veia, É Candeia” defende o protagonismo de artistas negros

A peça, que esteve em cartaz no Teatro Oficina (18/10 a 9/11/2017), recebendo cerca de 2.000 pessoas, retorna para segunda temporada no Teatro Oficina (sábados, às 20h; domingos, às 19h). Encenado no entorno de uma roda de samba ambientada na trajetória do artista entre as décadas de 1960 e 1970, o musical foi encenado pela primeira vez no Rio de Janeiro, em 2008. As duas montagens evidenciam a genialidade do compositor carioca, bem como destaca a contemporaneidade de suas letras e de seu pensamento.

Leia também: Mostra de criadoras em moda afro apresentará desfile a céu aberto

Com elogio da crítica e sucesso de público, “É Samba na Veia, é Candeia!” retorna ao Teatro Oficina (SP)
Divulgação
Com elogio da crítica e sucesso de público, “É Samba na Veia, é Candeia!” retorna ao Teatro Oficina (SP)

A montagem paulista recebeu uma enorme aceitação do público, que lotou todas as apresentações. Atriz e produtora executiva do espetáculo, Rita Teles acredita que, além da questão do tema e dos cuidados com a montagem, a peça se fortaleceu muito por evidenciar o protagonismo da cena cultural independente, bem como pela representatividade de um elenco e de músicos majoritariamente oriundos do samba, das artes e de movimentos sociais afirmativos.