Dona Leonides Victorino aprendeu a ler aos 67 anos e se formou em História da Arte aos 79

Dona Leonides se formou em História da Arte na Universidade Aberta da Terceira Idade aos 79 anos
Divulgação
Dona Leonides se formou em História da Arte na Universidade Aberta da Terceira Idade aos 79 anos

Ela é um verdadeiro exemplo de luta e persistência: passou a infância na lavoura em um vilarejo no interior da cidade de Leopoldina, na Zona da Mata Mineira. Começou a trabalhar como doméstica e lavadeira, mas nunca perdeu o foco. “Eu era meio triste, as pessoas falavam que eu era analfabeta, parecia que tinha uma faca que cortava o coração”, contou a simpática senhorinha que até então nunca teve a chance de estudar.

Leia também: Jorge Aragão, o Poeta do Samba completa 41 anos de carreira

Dona Leonides começou a trabalhar aos 5 anos, aos 14 se mudou para o Rio de Janeiro para trabalhar como empregada doméstica. Casou-se, teve dois filhos. Sem estudos, conseguiu se adiantar na educação básica e foi orientada a procurar na UERJ (Universidade Estadual do Rio de Janeiro), a mesma que da janela do ônibus parecia tão distante desde quando ela era jovem e pensava: “Ainda vou estudar ali”. Aprender a ler e a escrever era um sonho que dona Leonides realizou aos 67 anos de idade, mas, diversos contratempos aconteceram em sua vida desde que ela viu a universidade se erguer no lugar onde morava.

Leia também: Gê de Lima lança clipe LGBT questionando padrões de relacionamentos

Mas, mesmo com as dificuldades, acreditou no sonho, persistiu e não desistiu. Netos, filhos e familiares se uniram para ajudá-la. Assim como Anália dos Santos, sua primeira professora no CIEP (Centros Integrados de Educação Pública). Chegou tímida, o que é normal, afinal é uma sala de aula com diferentes faixas de idade e é comum que todos se sintam um pouco desconfortáveis no início. Ela era a aluna mais idosa da turma. A aluna nota 10 se formou em História da Arte na Universidade Aberta da Terceira Idade. “Quando a gente quer uma coisa, só se for um motivo de força maior que pode fazer a gente desistir... Já trabalhei muito, agora eu quero mesmo é passear e aproveitar a vida!”

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.