Cientista diz que ¿onda de denúncias¿ não altera voto

Louremberg Alves entende que ataques de candidatos não sensibilizam mais os eleitores como antes

Kelly Martins, iG Cuiabá |

A "onda de denúncias" entre os candidatos ao governo Silval Barbosa (PMDB), Mauro Mendes (PSB) e Wilson Santos (PSDB) não deve influenciar nas intenções de voto até o dia 3 de outubro.

A avaliação é do cientista político Louremberg Alves, para quem denúncias como o superfaturamento de R$ 44 milhões nos maquinários adquiridos pelo Governo, compra de votos e o uso da máquina pública são interpretadas hoje como “fatos corriqueiros da política” pelos eleitores.

"Essas questões já estão desgastadas no meio popular e não trazem o efeito desejado pelos candidatos e não alteram o voto", explicou.

Silval, Santos e Mendes entraram com representações no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) local solicitando a cassação do registro da candidatura um do outro. Há, pelo menos, nove ações de investigação judicial eleitoral contra os candidatos.

O cientista político avaliou, ainda, que as pesquisas mostram que Silval Barbosa vem mantendo a liderança nas pesquisas de intenção de voto e o quadro poderia se tornar desfavorável apenas se surgisse algum um fato “novo” desfavorável ao peemedebista.

"Pode ser um erro de estratégia ou uma denúncia nova apresentada pelo adversário. É pouco provável que em 19 dias ocorram mudanças significativas nesse quadro", acrescentou.

A oposição acusa Silval de usar da influência para pressionar os prefeitos a aderir ao seu grupo político. 

A coligação "Mato Grosso em Primeiro Lugar", de Silval também "joga pesado", ao acusar o tucano de usar anúncios da Prefeitura de Cuiabá com o slogan "Obra concluída, promessa cumprida". Contra Mendes, a coligação acusa seu vice, Otaviano Pivetta, de ter utilizado a rádio da qual é proprietário para fazer campanha a favor do socialista no interior do Estado.

Para Alves, esses recursos judiciais servem apenas para “esquentar o clima” da campanha na reta final. 

Na última pesquisa Ibope/TV Centro América aponta que o governador está com 41% e seria reeleito no primeiro turno. O peemedebista cresceu 13% em relação à última pesquisa.

Mauro Mendes (PSB) ultrapassou o ex-prefeito de Cuiabá, Wilson Santos (PSDB), e conta com 20% dos votos, enquanto o tucano detém 17% dos eleitores.

Para o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil de Mato Grosso (OAB-MT), Claudio Stábile, o eleitor está atento às propostas dos candidatos, mas ressalva que os ataques mútuos acabam prejudicando sua escolha.

    Leia tudo sobre: Eleições MTEleições Campanha

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG