Tutancâmon e Nefertiti inspiram crianças em festival de arte no Egito

A iniciativa visa familiarizar estudantes com personagens importantes da história do país

EFE |

Tutancâmon e Nefertiti, suas jóias, suas perucas, seus móveis e seus templos inspiram às crianças em um festival realizado nos museus egípcios para aproximar os pequenos da vida dos faraós há 5 mil anos.

Ao longo de três meses, centenas de crianças e jovens entre 8 e 18 anos recuperam através desta iniciativa, batizada de "O pequeno faraó", a história antiga mediante oficinas artísticas. Com papel colorido, tesouras, contas, fios e todos os tipos de tintas coloridas, as crianças imitam a moda, as jóias, a agricultura, os móveis, os sarcófagos, os templos e as pirâmides de seus ancestrais.

Antes de pôr mãos à obra, as crianças examinam algumas estátuas, quadros e múmias que governaram até 30 dinastias para aprender sobre a história e tentar vivê-la no mundo da arte. "É a primeira vez que faço uma peruca. Vou chamá-la de Nefertiti porque parece com a peruca que a rainha usava", disse à Agência Efe Mehrail Gamal, de nove anos, enquanto participava do festival no jardim do Museu Egípcio.

Com um novelo de lá preto na mão, enquanto falava Gamal fazia longas tranças para compor a peruca de Nefertiti (1370-1330 a.C.). Antes de fazer as perucas, as crianças escutam uma explicação da importância do cabelo artificial para os faraós, que o colocavam para proteger a cabeça.

No festival não podia faltar o "rei menino", Tutancâmon, cujos anéis, coroas e máscaras douradas inspiram os pequenos na oficina de jóias. É que o mítico Tutancâmon, que governou entre 1361 e 1352 a.C., é o único faraó cujo túmulo se encontrava praticamente intacto no momento de sua descoberta, com todos seus tesouros que agora podem ser contemplados no Museu Egípcio.

"Ensinamos às crianças que as jóias eram importantes para o egípcio antigo, que achava que os deuses representados nos anéis, colares e outros tipos de acessórios protegiam as partes débeis do corpo", explicou Ayato Alá Motaz, uma das coordenadoras das atividades. A câmara mortuária de Tutancâmon, sua cama e seu trono também oferecem às crianças uma ideia sobre os tipos de móveis utilizados na época.

As crianças usam madeira e plástico para fazer maquetes de móveis antigos e de pirâmides, ao mesmo tempo em que aprendem como as rochas eram levadas de um lugar ao outro para construir os templos. Em outra oficina sobre a moda faraônica, as crianças desenham uma saia igual à que a rainha Narmer usava, também conhecida pelo nome de Menes, que governou nas primeiras dinastias (2950-2575 a.C.).

"Quando terminarem a saia, as crianças escolherão o material com o qual farão o equivalente a manta que os faraós colocavam em suas saias como um símbolo da força", disse à agência Efe Aser Osama, arqueólogo e um dos organizadores da iniciativa.

Nas próximas semanas, os pequenos conhecerão Osiris, o deus da ressurreição, a regeneração do Nilo e o símbolo da fertilidade para os faraós. "Agora conheço Tutancâmon, Menes e Nefertiti, e irei às próximas oficinas para saber quem era Osiris", disse Merna Mahmoud, uma jovem de 16 anos, participante do festival "O pequeno faraó".

    Leia tudo sobre: egitofaraóseducação

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG