Transplante de neurônios recupera funções cerebrais

Nova técnica, usada em camundongos, ainda precisa ser aperfeiçoada, mas é esperança no tratamento de doenças que afetam o cérebro

Alessandro Greco, especial para o iG |

Doenças que afetam o cérebro comprometem a qualidade de vida de milhões de pessoas em todo o mundo. Uma nova pesquisa publicada nesta quinta-feira (24) no periódico científico Science mostrou que o cérebro de mamíferos aceita mais reparos na idade adulta do que se imaginava.

Feito por pesquisadores da Universidade de Harvard, do Hospital Geral de Massachusetts e Centro Médico Beth Israel, o trabalho implantou neurônios de embriões de camundongos em animais adultos que tinham uma deficiência cerebral, a incapacidade de responder ao hormônio leptina, responsável por regular o metabolismo e controlar o peso em diversos mamíferos, entre eles o camundongo e o homem.

Como consequência, os camundongos adultos que tinham obesidade mórbida à falta de leptina emagreceram e passaram a ter um metabolismo normal. “O que fizemos aqui foi reconectar um sistema do circuito cerebral que geralmente não se regeneraria naturalmente e isto restaurou substancialmente sua função normal”, afirmou Jeffrey Macklis, de Harvard, em podcast disponibilizado pela revista.

Aparentemente, o que ocorreu no hipotálamo dos camundongos adultos – local em que foram inseridos os neurônios – foi que estes se diferenciaram em quatro tipos diferentes de neurônios, formaram conexões e restauraram a capacidade de processar o sinal da leptina.

Leia mais:
Cientistas encontram grupo de neurônios ligados à agressividade
Cientistas convertem pele em neurônio para estudar esquizofrenia
Motivo do fracasso no regime está nos neurônios
Nova tecnologia pode ajudar em problemas neurológicos
Cientistas conseguem apagar memórias em laboratório

Embora não seja um meio prático para tratar obesidade, o estudo traz evidências de que este tipo de transplante pode ajudar a recuperar funções em regiões do cérebro que controlam mecanismos complexos – o hipotálamo gere, por exemplo, emoções, comportamento sexual, temperatura corporal, sede, entre outros.

Os resultados também mostraram aos pesquisadores que, em teoria, há a possibilidade de aplicar técnicas similares para outras doenças neurológicas e psiquiátricas. “Nosso próximo passo é fazer perguntas paralelas para outras partes do cérebro e da medula espinhal, relacionadas a esclerose lateral amiotrófica e traumas medulares. A pergunta é: nesses casos, podemos reconstruir o circuito no cérebro de um mamífero? Imagino que sim”, afirmou Macklis.

    Leia tudo sobre: cérebroneurociêncianeurônios

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG