Estudo mostra que contato com pets diminui a chance de crianças pequenas desenvolver alergias

Dividir seu espaço com um cachorro ou gato no primeiro ano de vida diminui alergias futuras
Getty Images
Dividir seu espaço com um cachorro ou gato no primeiro ano de vida diminui alergias futuras
Muitos pais preocupam-se que o fato de manter um cachorro ou um gato em casa possa fazer a criança ter mais chances de desenvolver alergias a animais de estimação. Porém, evidências científicas sugerem o contrário.

Em vez disso, totós e bichanos parecem ter um efeito contrário. A maioria dos estudos agora mostra que crianças que são expostas a animais de estimação durante seu primeiro ano têm menor probabilidade de desenvolver alergias a cães e gatos no futuro.

No último estudo, publicado este mês no jornal Clinical & Experimental Allergy, pesquisadores no Hospital Henry Ford em Detroit acompanharam 566 meninos e meninas do nascimento aos 18 anos, coletando regularmente dados das famílias das crianças sobre sua exposição a animais domésticos. Ao final do estudo, os pesquisadores colheram amostras de sangue e as testaram por sua sensibilidade a cães e gatos.

As crianças que dividiam o lar com um gato em seu primeiro ano de vida tinham metade da probabilidade de serem alérgicas a gatos em relação aos que não tinham. Um risco baixo também foi identificado em meninos que viviam na infância com um cachorro, ainda que por alguma razão o efeito não era tão forte como em meninas.

Os pesquisadores também concluíram que a exposição em idades mais avançadas não fazia muita diferença – era a exposição na infância que importava.

“O primeiro ano de vida é um período crítico na infância, quando a exposição doméstica a cães e gatos influencia a sensibilidade a tais animais”, concluíram os autores do estudo.

Outro estudo publicado no jornal da Associação Médica Americana em 2002 documentou um padrão similar: crianças expostas a dois ou mais cães ou gatos em seu primeiro ano de vida tinham menor chance de desenvolver alergias a ácaros de poeira, ambrósia americana e pelos de cães e gatos.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.