Telescópio Hubble capta galáxia mais brilhante descoberta até agora

Fenômeno espacial permitiu que telescópio registrasse a imagem de uma galáxia a cinco bilhões de anos-luz de distância

EFE |

Nasa
Graças a um fenômeno chamado lente gravitacional, foi possível ver a formação de uma galáxia há bilhões de anos
O telescópio espacial Hubble obteve imagens sem precedentes da galáxia mais brilhante descoberta até agora, graças a um fenômeno conhecido como lente gravitacional.
Uma lente gravitacional ocorre quando a gravidade de um objeto gigantesco, como o Sol, um buraco negro ou um conjunto de galáxias, causa uma distorção no espaço-tempo. A luz procedente de objetos mais distantes e brilhantes se reflete e aumenta quando passa por essa região distorcida pela gravidade.

A Nasa (agência espacial americana) informou que "esta observação proporciona uma oportunidade única para o estudo das propriedades físicas de uma galáxia que formava, de maneira vigorosa, estrelas quando o universo tinha apenas um terço de sua idade atual".

Jane Rigby e sua equipe de astrônomos no Centro Goddard de Voo Espacial da Nasa em Greenbelt, Maryland, apontaram o telescópio Hubble em direção a um dos exemplos mais notáveis de lente gravitacional, um arco de luz de quase 90 graus no conjunto galático RCS2 032727-132623, que fica a cinco bilhões de anos-luz da Terra.

Leia também:
Hubble celebra 21 anos com imagem de colisão galáctica

Galeria: dez fantásticas descobertas do Hubble
Telescópio Hubble permite recriar nascimento das estrelas

Nasa monta o sucessor do Telescópio Espacial Hubble

A vista que o Hubble obteve da galáxia distante é muito mais detalhada que a imagem que seria obtida sem a presença da lente gravitacional. A presença deste "amplificador" mostra como as galáxias evoluíram em dez mil milhões de anos, segundo a Nasa.

Enquanto as galáxias mais próximas à Terra estão plenamente maduras e se aproximam do fim de sua história como criadouro de estrelas, as galáxias mais distantes proporcionam testemunho dos tempos de formação do universo. Estão tão distantes que a luz daqueles eventos cósmicos só alcança a Terra agora.

As galáxias mais distantes não só brilham mais tênues no espaço, como também aparecem muito menores. Em 2006 uma equipe de astrônomos que usou o Very Large Telescope (VLT, literalmente Telescópio Muito Grande, o instrumento óptico mais avançado do mundo) no Chile, mediu a distância do arco e calculou que esta galáxia aparece três vezes mais brilhante que as outras galáxias, vistas também através de lentes, descobertas antes.

Em 2011 os astrônomos usaram o Hubble para captar imagens e analisar a galáxia com o telescópio orbital. Como é típico nas lentes gravitacionais a imagem distorcida da galáxia se repete várias vezes no conjunto de lente que aparece à frente.

A tarefa dos astrônomos é reconstruir como se veria realmente a galáxia sem o efeito de distorção. A aguda visão do Hubble permitiu que os astrônomos eliminassem as distorções e reconstruíssem a imagem como seria vista normalmente. A reconstrução mostra as regiões brilhantes onde se formam as estrelas, muito mais iluminadas que qualquer região de estrelas jovens na Via Láctea.

    Leia tudo sobre: espaçotelescópio Hubblegaláxias

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG