Estudo mostrou que há 40 mil anos população de homens modernos se multiplicou de 9 a 10 vezes

Maior densidade demográfica de homens modernos pode ter sido chave na extinção dos Neandertais. Na foto, pedaço de crânio neandertal feminino
Getty Images
Maior densidade demográfica de homens modernos pode ter sido chave na extinção dos Neandertais. Na foto, pedaço de crânio neandertal feminino
O crescimento acelerado da quantidade de homens modernos há 40 mil anos pode ter sido um fator decisivo na competição entre humanos modernos e Neandertais, de acordo com um novo estudo, publicado nesta quinta-feira (28) no periódico científico Science.

No trabalho, os arqueólogos Sir Paul Mellars e Jennifer French, ambos da Universidade de Cambridge, Inglaterra, analisaram a presença de neandertais e humanos em um período que vai de 55 a 35 mil anos atrás. O resultado foi que o número de humanos se multiplicou por nove ou dez neste período. Feita com base em uma análise estatística do número de ferramentas e restos de alimentos em três sítios arqueológicos na França, a pesquisa afirma que “estes dados mostram que a supremacia numérica sozinha deve ter sido um fator poderoso na competição demográfica e territorial entre os humanos modernos e os Neandertais,” escrevem Mellars e Jennifer no artigo.

Leia também:
Genoma prova cruzamento entre Neandertal e o homem

Estudo confirma: povos de fora da África têm genes de Neandertal

Já os motivos tecnológicos, econômicos, sociais e biológicos pelos quais os humanos modernos foram capazes de sobreviver em populações muito maiores do que os Neandertais são ainda tema de debate. Cientistas acreditam que o Homo sapiens tinha vantagens claras na caça e processamento de comida, bem como no armazenamento de alimentos, com relações sociais mais complexas e capacidade de raciocínio simbólico e planejamento. “Tudo isso pode ter tido um efeito dramático na capacidade de sobrevivência e competição dos humanos modernos”, dizem também os pesquisadores no texto.

Alguns especialistas argumentaram contra os resultados do artigo. A conclusão, segundo eles, não está necessariamente errada, dizem, embora os métodos sejam ultrapassados. O paleoantropólogo Erik Trinkaus, da Universidade de Washington em St. Louis, no Missouri, disse ter proposto a mesma hipótese há dois anos, mas afirmou que a metodologia de contagem de artefatos para calcular população é rejeitada pela comunidade arqueológica há anos. “O número de sítios tem pouco a ver com densidade demográfica. Por exemplo, um grupo de caçadores-coletores que se movimenta muito vai deixar menos sítios do um grupo sedentário, que fiquei no mesmo lugar por muito tempo e acumule mais lixo”, explicou à AP.

Christopher Ramsey, da Universidade de Oxford, disse que o estudo apenas traz mais provas quantitativas do que já se imaginava que tinha acontecido. Já João Zilhão, pesquisador da Universidade de Barcelona, ecoou Trinkaus nas críticas à metodologia, e afirmou que o que aconteceu não foi uma simples substituição. “Temos provas genéticas e paleontológicas que houve assimilação , e não pura substituição de espécies”.

(Com informações da AP)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.