Sua árvore de Natal é verde?

Quando o assunto é árvores de Natal, os americanos preferem cada vez mais os pinheiros de plástico no lugar dos verdadeiros

The New York Times |

The New York Times
Consumidores compram árvores de Natal em Nova York (EUA)
As vendas de árvores falsas devem atingir o recorde de 13 milhões este ano, conforme a qualidade melhora e elas se tornam mais convenientes com recursos como luzes embutidas e fechamento fácil. Ao todo, mais de 50 milhões de árvores de Natal artificiais irão enfeitar salas de estar americanas nesta temporada, segundo o principal grupo de comércio do setor, em comparação com cerca de 30 milhões de árvores reais.

Kim Jones, que comprava uma árvore em uma loja Target no bairro do Brooklyn esta semana, está convencida de estar fazendo um favor ao planeta ao comprar um pinheiro de plástico por US$200, fabricado na China, em vez de comprar um pinheiro cortado em nome de uma temporada de folia. "Eu tenho muita consciência sobre o meio ambiente", disse Jones. "Vou manter essa árvore por 10 anos e com isso 10 árvores de verdade não serão cortadas".

Mas Jones e as outras milhões de pessoas que compraram árvores falsas podem não estar fazendo nenhum favor ao meio ambiente. No estudo mais definitivo sobre as perenes árvores reais versus as falsas, uma empresa de consultoria ambiental em Montreal descobriu que uma árvore artificial teria de ser reutilizada por mais de 20 anos para ser mais ecológica do que comprar uma árvore recém cortada. Os cálculos incluíram as emissões de gases causadores do efeito estufa, o uso de recursos e os impactos na saúde humana.

"A árvore natural é a melhor opção", disse Jean-Sebastien Trudel, fundador da empresa Ellipsos, que divulgou o estudo independente no ano passado. As emissões anuais de carbono associadas à utilização de uma árvore verdadeira todos os anos representam apenas um terço das emissões de uma árvore artificial ao longo de um ciclo de vida típico de seis anos. A maioria das árvores falsas também contém cloreto de polivinila, ou PVC, que produz agentes cancerígenos durante sua fabricação e descarte.

A Ellipsos estudou especificamente o mercado de árvores de Natal em Montreal, que são cultivadas em Quebec ou fabricadas na China. Trudel disse que os resultados provavelmente são diferentes para outras cidades e regiões. O excesso de condução motorizada por parte dos consumidores para comprar árvores verdadeiras poderia inclinar a balança em favor das árvores artificiais, pelo menos em termos de emissões de carbono.

Em geral, o estudo constatou que o impacto ambiental das árvores de Natal reais é muito pequeno e significativamente menor do que o das árvores artificiais – uma conclusão partilhada por grupos ambientalistas e alguns cientistas. "Você não faz nada de errado ao cortar uma árvore de Natal", disse Clint Springer, botânico e professor de biologia na Universidade Saint Joseph, na Filadélfia. "Muitas pessoas pensam que as árvores artificiais são melhores porque você está preservando a vida de uma árvore. Mas neste caso, você tem uma plantação feita só para isso".

Os fabricantes de árvores falsas argumentam que as evidências não são tão claras. "Se você comprar uma árvore de Natal artificial e reutilizá-la por pelo menos cinco anos, certamente estará agindo de maneira ecológica", disse Thomas Harman, fundador e executivo-chefe da Balsam Hill, fabricante de árvores artificiais de primeira linha. Harman, disse que a quantidade de viagens de carro feitas pelos consumidores para comprar uma árvore de Natal real compensam a energia e poluição de comprar uma árvore artificial da China.

A Associação Americana de Árvores de Natal, grupo comercial de fabricantes e vendedores de árvores artificiais, diz que o seu próprio estudo descobriu que foram necessários 10 anos de uso antes de uma árvore falsa se tornar melhor para o meio ambiente do que uma real, pelo menos em termos de emissões de carbono.

No entanto, os benefícios não são imediatamente aparentes tanto para consumidores quanto para produtores de árvores. Numa tarde de muito frio no Mercado de Inverno em Nova York, esta semana, Lizza Stanley buscava sua árvore de Natal com seu marido, Brian. Eles ponderavam se uma árvore artificial seria melhor para o meio ambiente, porque poderia ser reutilizada. O vendedor de árvores, Rob Rodriguez, da Fazenda Van Houten de Orangeville, Pensilvânia, foi de pouca ajuda. "Eu não sei ao certo", disse Rodriguez. "Eu acho que a natural?"

A balança pende a favor de árvores de Natal naturais por causa da maneira como são cultivadas e colhidas. Cerca de 400 milhões de árvores agora crescem em fazendas de árvores de Natal nos Estados Unidos, segundo a Associação Nacional de Árvores de Natal, que representa os produtores e vendedores de árvores reais. Cerca de 30 milhões de árvores são colhidas anualmente.

As árvores reais produzem oxigênio, ajudam a fixar o carbono em seus galhos e no solo e fornecem habitat para aves e animais, disse Springer. Fazendas de árvores de Natal também ajudam a preservar os espaços verdes e campos agrícolas, particularmente perto de zonas urbanas densamente povoadas, onde a pressão para a construção é intensa.

"Isso permite que pessoas que tem terras que podem não ser boas para cultivo consigam plantar e lucrar, e não se sintam obrigadas a vender para construtoras", disse Mike Garrett, proprietária e operadora de uma fazenda de árvores de Natal em Sussex, Nova Jersey.

Após as férias, as árvores reais podem continuar a servir a um propósito. Nova York, por exemplo, oferece a reciclagem gratuita das árvores, que são transformadas em adubo. Em 2009, cerca de 150 mil árvores foram transformadas em adubo pela cidade.

As árvores artificiais, pelo contrário, são quase exclusivamente fabricadas na Ásia a partir de plástico e metal e não podem ser recicladas pela maioria dos programas de reciclagem municipais. Depois de seis a 10 anos de uso, a maioria vai parar em um aterro sanitário.

Melly Garcia, que comprou um pinheiro no bairro de Upper East Side de Manhattan esta semana, disse estar certa de que a árvore real é a escolha correta para ajudar o meio ambiente. "As árvores são provenientes de um local sustentável e se você descartá-las corretamente serão recicladas", disse ela. "Então, eu fico bem com isso".

Jami Warner, diretor-executivo da Associação Americana de Árvores de Natal, o grupo que promove as árvores artificiais, disse que nenhum dos dois tipos de árvore teve muito impacto sobre o meio ambiente – "especialmente quando comparado com algo que a maioria de nós faz todos os dias, como dirigir um carro", ela escreveu em um e-mail.

Sobre este ponto, Trudel da Ellipsos concorda. "Quando você realmente considera a questão, se você deixar o carro em casa alguns dias por semana e pegar caronas ou andar de bicicleta, você vai compensar completamente o impacto ambiental da sua árvore", disse ele. "Não é algo tão grande. Aproveite a sua árvore, seja qual for a que você preferir".

    Leia tudo sobre: árvoreNatalmeio ambiente

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG