Sonhos podem aliviar efeitos de experiências traumáticas

Cientistas acreditam que mudanças químicas que ocorrem no cérebro durante o sonho podem explicar alivio

BBC Brasil |

selo

Getty Images
Estudo afirma que reação dos voluntários expõe as ligações entre os sonhos e a memória
Um estudo realizado por cientistas da Universidade de Berkeley, na Califórnia, indica que sonhos podem aliviar os efeitos de pessoas expostas a eventos desagradáveis ou traumáticos. Na pesquisa, os especialistas utilizaram um aparelho de ressonância magnética para observar como o cérebro das pessoas reage à exposição de imagens chocantes antes e depois de uma noite normal de sono.

O estudo, publicado na revista científica Current Biology, afirma que a reação dos cérebros dos voluntários expõe as ligações entre os sonhos e a memória.

A maior parte das pessoas tem de lidar com eventos traumáticos em algum ponto de suas vidas, e, para algumas delas, isso pode causar transtorno de estresse pós-traumático, tornando-as emocionalmente perturbadas por muito tempo depois do evento em si.

Leia mais:
Especialistas tentam controlar sonhos para evitar pesadelos
Como a rotina se infiltra nos sonhos
Estudos sugerem que sonhar torna a pessoa mais esperta e criativa
Máquina para gravar sonhos é possível, diz cientista

Existem fortes evidências de que, nos 20% do tempo do sono em que sonhamos, também chamado de sono REM (em inglês, rapid eyes movement, ou movimento rápido dos olhos), é feito o processamento das memórias recentes, e pesquisadores creem que a melhor compreensão deste mecanismo pode eventualmente ajudar os pacientes com estresse pós-traumático.

Os estudiosos recrutaram 35 voluntários, separando-os em dois grupos. Depois de mostrar a eles 150 imagens com a intenção de causar uma reação emocional, metade das pessoas tiveram a permissão de ter uma noite normal de sono.

Enquanto ficavam dentro de um aparelho de ressonância magnética, para mapear o fluxo de sangue no cérebro - uma maneira eficaz de descobrir quais regiões estão mais ativas -, os voluntários foram apresentados às imagens mais uma vez.

Aqueles que dormiram normalmente tiveram menos atividade nas amígdalas cerebelosas, partes do cérebro associadas às emoções exaltadas, e mais atividade no córtex pré-frontal, a região ligada aos pensamentos mais racionais.

As pessoas que não dormiram tiveram uma resposta muito mais emocional à nova exposição às imagens.

Mudanças químicas
Os cientistas creem que mudanças químicas no cérebro durante o R.E.M. podem explicar este comportamento.

"Nós sabemos que, durante o R.E.M., existe uma queda acentuada na noradrenalina, uma substância química associada com o estresse", diz Matthew Walker, que liderou a pesquisa.

"Ao reprocessar experiências emocionais prévias neste ambiente neuroquimicamente seguro de baixa noradrenalina durante o R.E.M., nós acordamos no dia seguinte e aquelas experiências são suavizadas em sua força emocional", afirma Walker.

"Nós nos sentimos melhor em relação a elas, nós achamos que podemos lidar (com elas)."
Comentando o estudo, o psicólogo clínico Roderick Orner diz que, embora muitos acreditem que o sono tenha um papel crucial no processamento de memórias traumáticas, provavelmente muitos outros fatores operam nos pacientes com estresse pós-traumático.

"Em casos de traumas mais graves, pode ser difícil demais para o paciente processar isto durante o sono, especialmente se o evento teve um impacto significativo na vida cotidiana da pessoa."

    Leia tudo sobre: sonhoneurociênciacérebro

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG