Expectativa é que Phobos-Grunt atinja o planeta entre os dias 6 e 19 de janeiro

Na imagem, engenheiros preparam sonda russa para seu lançamento em novembro
AP
Na imagem, engenheiros preparam sonda russa para seu lançamento em novembro
A sonda russa que iria para uma lua de Marte e que ficou presa na órbita da Terra vai cair no planeta no próximo mês, porém o combustível tóxico e o material radioativo a bordo não apresentam perigo de contaminação, disse a agência espacial russa nesta sexta-feira (16).

Entre 20 e 30 fragmentos da sonda - cujo peso total é no máximo de 200 quilos - não vão se queimar na reentrada, e deverão se espatifar na superfície da Terra, alertou a Roscosmos em um comunicado. A agência afirmou que a sonda Phobos-Grunt vai cair na Terra entre os dias 6 e 19 de janeiro e que só será possível calcular a região do globo onde os fragmentos cairão com apenas alguns dias de antecedência.

Desde que a agência perdeu contato com a sonda, depois de seu lançamento no dia 9 de novembro, esta foi a primeira vez que ela admitiu que o equipamento de $170 milhões foi perdido e despencará na Terra.

Leia mais:
Agência espacial europeia desiste de tentar contato com Phobos-Grunt
Sonda russa Phobos-Grunt dá sinais de vida
Rússia não consegue estabelecer contato com sonda espacial
Sonda russa está na órbita terrestre e pode cair em breve
Voluntários concluem viagem simulada para Marte após 520 dias

Desde o lançamento em novembro, engenheiros russos e da Agência Espacial Europeia tem tentado, sem sucesso, tirá-la da órbita terrestre e mandá-la em direção a lua marciana Phobos.

A sonda pesa 13,2 toneladas e a maior parte de seu peso vem de uma carga de combustível extremamente tóxica. Especialistas alertaram que caso o combustível se congele, uma parte dele poderia ser derramada na Terra, representando um grande perigo se fosse lançado em áreas populosas.

A Roscosmos, porém, afirma ter certeza de que o combustível vai se queimar na reentrada, a cerca de 100 quilômetros do solo e portanto não representa perigo. A agência afirma também que 10 quilos de Cobalto-57, material radioativo contido em um dos equipamentos da sonda, também não representam ameaça de contaminação.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.