Sonda japonesa confirma origem de meteoritos mais comuns na Terra

Hayabusa coletou amostras de asteróide 2543 Itokawa para compreender melhor as condições de formações destes corpos celestes

Alessandro Greco, especial para o iG |

© AP
Técnico analisa parte da cápsula da sonda Hayabusa, que retornou à Terra em 2010 trazendo fragmentos de meteoritos
Em 2005, a sonda espacial japonesa Hayabusa coletou amostras do asteróide  com o intuito de confirmar a hipótese de que os meteoritos mais comuns que chegam à Terra são provenientes de um tipo específico de asteróide, os chamados tipo S. Em seis estudos publicados nesta quinta-feira (25) no períodico científico Science, um grupo de pesquisadores japoneses confirma a suspeita e faz uma análise minuciosa do material coletado.

Leia mais:
Pesquisadores encontram primeiro asteroide troiano da Terra
Sonda espacial da Nasa se aproxima de asteroide gigante
Sonda fotografa superfície do asteroide gigante Vesta

A relação entre asteroides tipo S e condritos (nome técnico dos meteoritos mais comuns que chegam à Terra) sempre teve um problema pois as características dos dois não combinavam totalmente. Havia a hipótese de que os asteróides tipo S seriam os pais dos condritos, mas haviam diferenças importantes entre os dois, ainda não completamente compreendidas. A suspeita era de que o responsável eram as mudanças em características físicas do espaço ao longo do tempo no espaço, como ventos solares (jatos de partículas ejetados da superfície do Sol). “Aprendemos muito sobre o clima no espaço com estas amostras”, afirmou Tomoki Nakamura, da Universidade de Tohoku, em Sendai, Japão, principal autor do artigo que confirma a relação entre os asteróides e os meteoritos encontrados na Terra.

Science/AAAS
Fragmento do asteroide 2543 Itokawa examinado pelos técnicos japoneses: origem confirmada
Foi a primeira vez na história que amostras de um asteróide foram trazidas à Terra. A escolha do 2543 Itokawa para tal fim não foi ao acaso. “Ele é um asteróide que está perto e foi fácil de ser atingido. Ele também é um asteróide tipo S, o tipo mais abundante no cinturão de asteróides [entre as órbitas de Marte e Júpiter]”, explicou Nakamura.

O sucesso da missão, no entanto, não foi trivial. Houve um problema no sistema de coleta das amostras da Hayabusa e os cientistas tiveram de esperar ela pousar na Terra para ter certeza de que a sonda havia cumprido sua missão. Um detalhe: a Hayabusa chegou à Terra em 2010 , cinco anos após ter coletados as amostras.

A pesquisa com asteróides dos japoneses continua e o próximo alvo já está escolhido. “A Hayabusa 2 será lançada em 2014. Queremos ir a asteroides tipo C e trazer as amostras para casa. Eles são ricos em água e materiais orgânicos e queremos encontrar informações cruciais sobre a origem da água e da vida na Terra”, explicou Nakamura.

    Leia tudo sobre: hayabusaespaçojapão

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG