Sonda fotografa superfície do asteroide gigante Vesta

Na próxima semana, a sonda vai coletar os primeiros dados científicos do asteroide, quando estiver a 2.700 km da superfície

iG São Paulo |

NASA/JPL-Caltech/UCLA/MPS/DLR/IDA
Sonda Dawn obtem imagem de asteroide gigante Vesta. A 5.200 quilômetros de distância de sua superficie é possível observar buracos e rachaduras no asteroide
Pela primeira vez cientistas conseguiram captar imagens de perto, a 5.200 quilômetros, do asteroide Vesta. A sonda Dawn entrou em sua órbita na semana passada , sendo possível ver detalhes da superfície esburacada do asteróide, que lembra a da Lua.

Desde que entrou na órbita do asteroide, a sonda capturou mais de 500 imagens, chegando cada vez mais próxima da superfície. Ela vai começar oficialmente a coletar dados científicos na próxima semana, quando estiver posicionada a 2.700 quilômetros da superfície do asteróide. Astrônomos acreditam que o Vesta possa ser fonte de um grande número de meteoritos que caem na Terra

O Vesta é o objeto mais brilhoso do cinturão de asteroides vistos da Terra – zona entre Marte e Júpiter com centenas de asteroides orbitando o Sol. O cinturão foi formado há cerca de 4,5 bilhões de anos, mais ou menos ao mesmo tempo e nas mesmas condições que a Terra.

A sonda já fotografou toda a parte iluminada do asteroide. Na semana passada, ela passou pela parte da superfície que fica obscurecida pelas sombras e pode observar algumas rachaduras.

A análise da superfície “nos permite determinar o que ocorreu com Vesta com o passar do tempo”, disse o cientista chefe da missão, Christopher Russell da Universidade da Califórnia, em Los Angeles.

As imagens de Dawn surpreenderam os cientistas do programa que não esperavam tantas particularidades. “Nós estamos vendo uma superfície muito variada”, disse Christopher Russell

A seção sul de Vesta é caracterizada por uma cratera gigante, resultado de uma colisão no passado que acredita-se tenha abatido a Terra com vários meteoritos, ou quebrado partes do asteroide. O lado norte contém outras crateras incluindo três que foram apelidadas pelos cientistas de “homem de neve”.

De acordo com Holger Sierks, da Sociedade Max Planck, na Alemanha, Vesta é tão “rico de particularidades” que isto vai deixar os cientistas ocupados por muitos anos.

Lançada em 2007 a sonda Dawn é a primeira a explorar os asteroides Vesta e Ceres, os dois maiores do cinturão. Ela é também a maior sonda interplanetária lançada pela Nasa. A sonda vai circular por Vesta por um ano chegando a 177 quilômetros da superfície. Depois disso, ela se deslocará até Ceres, aonde provavelmente chegará em 2015.

Ao contrário do seco e rochoso Vesta, Ceres tem a superfície de gelo e deve ter pólos congelados. Esta característica leva a crer que haja a presença de água congelada. Porém, Dawn não poderá se aproximar tanto de Ceres quanto se aproximará de Vesta, por causa de uma possível contaminação.

NASA/JPL-Caltech/UCLA/MPS/DLR/IDA
Entre as mais de 500 imagens, a sonda capturou as três crateras, apelidadas de homem de neve. Elas estão localizadas no hemisfério norte de Vesta

(Com informações da AP)

    Leia tudo sobre: asteroidevestaasteroideespaçonasadawn

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG