Testes mostraram que usuários sem experiência puderam realizar procedimentos relativamente difíceis com a ajuda do dispositivo

Um sistema baseado na realidade aumentada, divulgado nesta terça-feira pela Agência Espacial Europeia (ESA), deverá ajudar os astronautas a cuidar de sua saúde no espaço e permitir-lhes realizar intervenções cirúrgicas de forma autônoma.

O projeto, que está em fase de testes e foi impulsionado por dois centros de pesquisa alemães e um consórcio de aplicações espaciais com sede na Bélgica, leva o nome de Sistema de Diagnósticos Médicos e Cirurgia Assistida por Computador (CAMDASS, na sigla em inglês).

O dispositivo requer primeiro o registro do corpo do paciente com uma câmera após ter recebido marcas de referência, e depois sobrepõe sobre o campo de visão do usuário gráficos em três dimensões gerados por computador que proporcionam informação em tempo real sobre o que tem diante de si e como atuar.

Leia mais:
Astronauta volta à Terra com musculatura de uma pessoa de 80 anos
Nasa vai abrir vagas para astronautas a partir de novembro

Esta técnica de visualização começou a ser experimentada com os exames de ultra-sons, porque a ESA já dispõe dos equipamentos necessários para realizá-los, mas é uma tecnologia que, segundo a agência, poderia ser aplicado a qualquer procedimento médico.

Os testes realizados em um hospital em Bruxelas demonstraram que usuários sem experiência puderam realizar procedimentos relativamente difíceis graças às indicações do CAMDASS.

O dispositivo mostra aos usuários como colocar e movimentar de forma adequada o transdutor de ultra-sons para examinar a área de interesse, e apresenta uma série de imagens com indicações sobre o que podem encontrar.

Com este avanço, segundo indicou a ESA, se pretende conseguir que os astronautas possam solucionar os problemas médicos por sua conta, porque à medida que se afastem mais da Terra em futuras missões do sistema solar aumenta a possibilidade que haja interferências nas comunicações com a base.

Porém, o CAMDASS, acrescentou a ESA, também poderia ser usado como um sistema de "medicina via satélite", para "prestar primeiros socorros em países em vias de desenvolvimento ou na Antártida".

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.