Samambaias lançam esporos com o uso de catapultas

Através de câmeras de altas velocidades, pesquisadores conseguiram analisar o movimento que faz samambaias se reproduzirem

The New York Times |

The New York Times
Câmeras de alta velocidade captam como samambaias catapultam seus esporos
Ao contrário da maioria das plantas, as samambaias se reproduzem sem o uso de sementes ou flores. Em vez disso, elas usam esporos, que são lançados ao ambiente por uma estrutura denominada ânulo, que fica na parte de baixo das folhas.

Leia também: Cientista revela beleza escondida dos fungos em fotos

Um novo estudo, publicado no periódico Science, explica como funciona esse mecanismo semelhante a uma catapulta.  "O mecanismo é conhecido há pelo menos um século", afirmou Xavier Noblin, principal autor do estudo e pesquisador da Universidade de Nice e do Centro Nacional de Pesquisa Científica da França.

"A novidade está no uso de uma câmera de alta velocidade para observá-lo." Nas catapultas produzidas pelo homem, uma barra transversal trava a haste da catapulta na metade do caminho, o que garante que a munição seja lançada ao ar e não ao solo.

Usando a câmera de alta velocidade, Noblin e seus colegas puderam ver que o ânulo, que é semelhante a uma esponja, se abre e depois se fecha em dois tempos diferentes à medida que lança os esporos.
O primeiro movimento acontece da mesma forma que ocorreria com qualquer material elástico puxado para trás e depois solto. Ele ocorre em algumas dezenas de microssegundos.

Leia também: Fósseis de primeiras plantas terrestres são encontradas na Argentina

O segundo movimento também é rápido, porém mais lento que o primeiro, ocorrendo em dezenas de milésimos de segundos (um milésimo de segundo é igual a mil microssegundos). Ele ocorre conforme a água corre através das paredes do ânulo.

Esse tempo menor garante que o movimento de catapulta seja interrompido bruscamente, da mesma forma que a barra transversal interrompe o movimento da catapulta artificial. Por esta razão, os esporos são ejetados para o exterior e para longe.

"Eu acredito que podemos sem dúvida extrair ensinamentos dessa descoberta", afirmou Noblin. "Tenho certeza que ela será usada em tecnologia. Nossa primeira motivação foi apenas compreender os motivos."

    Leia tudo sobre: samambaiasesporos

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG