Rússia pretende enviar homem à Lua

Projeto será realizado após a conclusão de três missões não tripuladas ao satélite

EFE |

A Rússia planeja enviar o homem à Lua depois de várias missões não tripuladas ao satélite natural da Terra, declarou nesta terça-feira o diretor-geral do consórcio aeroespacial Lavochkin, Victor Khartov.

"Existe no mundo um renascimento do interesse pela Lua. A Rússia também tem projetos neste sentido. Foram eleitos os locais para a aterrissagem das duas primeiras missões, os polos norte e sul do satélite", disse Khartov, citado pela agência "Interfax".

Leia mais:
Local exato da queda de sonda russa ainda é um mistério
Rússia lança 6 satélites americanos de telecomunicações
Empresas privadas disputam prêmio para chegar à Lua
China coloca Lua nas prioridades do seu programa espacial

As duas primeiras missões não tripuladas - Luna Resurs e Luna Glob - são a repetição dos passos que já foram dados no passado, nos tempos da então União das Repúblicas Socialistas Soviéticas, mas as experiências adquiridas se perderam e devem ser recuperadas, explicou o construtor-geral do consórcio.

O projeto "Lunas-Resurs" será executado em conjunto com a Índia, que irá fornecer à missão o foguete portador e o veículo lunar que será depositado na superfície da Lua por um módulo de descenso fabricado pela Rússia.

Feito exclusivamente pelos russos, o "Luna-Glob", prevê o lançamento e aterrissagem de um aparelho que uma vez no terreno irá recolher amostras de pó lunar, da mesma forma que a terceira missão, "Luna-Grunt", que ao contrário de sua antecessora "irá trazer amostras de terra lunar de maneira seletiva", de acordo com o cientista russo.

Assim que todas as missões não tripuladas forem concluídas, a indústria aeroespacial russa dará início aos preparativos para enviar uma nave tripulada ao satélite.

"Para isso, primeiro deve ser preparada a infraestrutura. O tempo das visitas passou", disse Khartov em alusão à missão americana de 1969, acrescentando que "é preciso se apressar e completar as funções concretas".

    Leia tudo sobre: RÚSSIA ESPAÇO

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG