Rússia decide afundar satélite Express no Pacífico

Falhas no lançamento fizeram com que equipamento ficasse em órbita errada, ocasionando o fracasso da missão

EFE |

A Rússia afundará no oceano Pacífico o satélite de comunicações Express-AM4, que foi lançado há sete meses e cuja missão, que consistia, entre outras coisas, em garantir a comunicação governamental, fracassou.

Segundo informou nesta segunda-feira uma fonte da indústria aeroespacial russa à agência "Interfax", uma região do Pacífico Norte será fechada ao tráfego aéreo e marítimo durante um prazo de duas horas no dia 25 e em 26 de março por motivos de segurança.

Leia mais:
Cientistas propõem faxina espacial com 'satélite gari'
Lixo espacial em rota de colisão põe a ISS em alerta vermelho
Atlantis prepara manobra para desviar de lixo espacial
Destino de ISS será o mar, afirma Rússia

O Express-AM4 foi lançado em 18 de agosto de 2011 a partir da base de Baikonur, mas o centro de controle perdeu a conexão com o aparelho, que foi localizado horas depois em uma órbita imprevista.

O aparelho permaneceu fora da órbita prevista durante todo este tempo, o que impediu que cumprisse sua missão e reduziu sua autonomia de voo, reconheceu Denís Pivniuk, diretor financeiro da companhia "Comunicação Espacial" (Kosmicheskaya Sviaz).

O satélite, fruto da colaboração entre a companhia europeia Astrium e o centro de design russo Jrúnichev, foi construído com a mesma aparência da plataforma Eurostar E3000.

O objetivo da missão era garantir a cobertura por satélite do território russo e da pós-soviética Comunidade dos Estados Independentes, além das comunicações do Kremlin e do Governo russo.

A parte russa encarregou um aparelho similar a Austrium, o Express-AM4R, que será colocado em órbita na primeira metade de 2014.

A Rússia sofreu em 2011 e 2010 com vários fracassos em seu programa de lançamentos, como o primeiro acidente em mais de 30 anos de um de seus cargueiros Progress, em agosto, na Sibéria.

Além disso, um satélite militar geodésico foi perdido depois que o aparelho entrou em órbita elíptica e não circular, como estava previsto, além de outros três que foram lançados para completar seu sistema de posicionamento global Glonass.

    Leia tudo sobre: espaçorússialixo espacial

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG