Resenha: um relato tocante

A jornalista Rebecca Skloot reconta com delicadeza e emoção a vida de Henrietta Lacks, a mulher humilde que mudou a medicina

Alessandro Greco, especial para o iG |

Divulgação/Manda Townsend
Rebecca Skloot: trabalho de investigação da história de Henrietta consumiu dez anos
O assunto escolhido pela jornalista Rebecca Skloot como tema para seu primeiro livro não poderia ser mais espinhoso: contar a vida de uma mulher negra e pobre que teve as células de seu corpo retiradas sem sua permissão, e elas mudaram a medicina e criaram uma indústria milionária. Os pesquisadores não deveriam ter retirado as células sem consentimento e parte dos lucros deveria (obviamente) beneficiar a família de sua dona.

E por que deu tudo errado? A resposta direta e reta é afirmar que tudo isso foi devido ao fato de ela ter nascido negra e pobre em Clover, uma pequena cidade do estado de Virginia, uma região reconhecidamente racista dos Estados Unidos. Rebecca mostra que esta é uma parte da resposta, mas não toda ela. Há também, por exemplo, erros que poderiam e foram cometidos novamente com outras pessoas pelo simples fato de não existir naquela época o chamado “consentimento livre e esclarecido” que obriga os pesquisadores a explicarem e terem a certeza de que o paciente entendeu e concorda com aquilo que será feito com suas células.

O livro "The Immortal Life of Henrietta Lacks" é um belo exemplo de pesquisa, apuração e redação. Há ali detalhes que somente a convivência íntima permite extrair e uma boa dose de coragem (na primeira conversa dela com Alfred Jr., filho mais novo de Henrietta, que havia matado um colega com uma facada, é possível sentir a excitação e o medo da autora). Nos mais de 10 anos em que levou para fazer o texto, Rebecca descobriu um novo mundo, que a transformou a ponto de ela criar uma fundação, para a qual doa parte dos lucros com a venda do livro, que provê fundos para os descendentes de Henrietta e também cobrir os custos do seguro saúde deles. No período em que escreveu o livro Rebecca tornou-se próxima da família Lacks e conseguiu reconstruir a história de vida da mulher que mudou a medicina do século XX. Em especial conseguiu ser comovente sem ser piegas e falar de situações difíceis sem se deixar levar pela emoção fácil.

Nesta jornada contou com a ajuda ímpar de uma das filhas de Henrietta, Deborah, de quem se tornou amiga e cuja morte prematura parece ter marcado profundamente Rebecca. Enfim, um história que reflete sobre os caminhos que a ciência muitas vezes segue e suas consequências para a vida das pessoas. 

“A vida imortal de Henrietta Lacks”
Rebecca Skloot
Companhia das Letras
Preço: R$ 42


    Leia tudo sobre: HeLaHenrietta LacksRebecca Sklootlivro

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG