Recessão provoca queda recorde em emissões de CO2 da UE

Crise fez com que o bloco europeu deixasse de emitir uma quantidade de gases do efeito estufa igual à produção anual da Espanha

Reuters |

A recessão provocou uma redução recorde de 7,2% nas emissões de gases do efeito estufa da União Europeia em 2009, colocando o bloco à frente do cronograma planejado de cortes, indicaram dados europeus na quarta-feira (20).

"A força da recessão de 2009 afetou todos os setores econômicos da UE," disse em relatório a Agência Ambiental Europeia, com sede na Dinamarca. "O consumo de combustíveis fósseis caiu em comparação com o ano anterior, principalmente o de carvão."

As emissões de gás-estufa no bloco de 27 nações caíram do equivalente a 4,96 bilhões de toneladas de dióxido de carbono, em 2008, para 4,60 bilhões em 2009, de acordo com um relatório técnico apresentado para o Secretariado de Mudança Climática da Organização das Nações Unidas (ONU).

Essa queda de 7,2% - de 354 milhões de toneladas, ou quase o mesmo tanto que as emissões anuais da Espanha ou da Polônia - foi bem mais acentuada do que qualquer outro declínio desde 1990, quando os países ricos começaram a reunir os dados, seguindo tratados da ONU.

O relatório não informou o quanto as emissões poderão voltar a crescer com o retorno do crescimento econômico em 2010, mas disse: "A recessão em 2009 acelerou, temporariamente, a tendência de baixa nas emissões totais de gás-estufa."

A redução, ampliando os cortes pelo quinto ano consecutivo, deixa as emissões 17,6% abaixo dos 5,59 bilhões de toneladas emitidos no ano-base da ONU de 1990 e perto do objetivo unilateral europeu de cortar as emissões em 20% abaixo dos níveis de 1990 até 2020.

A UE havia dito que aumentaria o corte para 30%, caso outros países industrializados estabelecessem metas dentro de um futuro tratado da ONU para evitar mais enchentes, secas e elevação do nível dos oceanos.

No mês passado, sete países da UE, incluindo Alemanha e Grã-Bretanha, defenderam que o bloco aprofunde a meta para 2020.

A comissária da UE para a Mudança Climática, Connie Hedegaard, apresentou uma estratégia apontando um caminho de baixo custo para um corte de 25% até 2020.

Leia também:
Emissão de CO2 cresce 58% em São Paulo em 18 anos

    Leia tudo sobre: CO2emissão de CO2efeito estufadióxido de carbono

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG