Raupp diz que pesquisas na Antártida serão descentralizadas

Ministro da Ciência e Tecnologia afirmou que atividades não serão interrompidas nem sofrerão contingenciamento

Agência Brasil |

Agência Brasil
Pesquisadores se reunem com ministro para debater futuro das pesquisas na Antártida
As pesquisas científicas feitas pelo Brasil na Antártica não serão interrompidas, mas podem sofrer redução. A afirmação é do ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação, Marco Antonio Raupp. “Na totalidade, [a pesquisa] não vai parar em momento algum. Vai diminuir. Parar não existe”, disse. Ele ressaltou ainda que o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação e o Ministério da Defesa têm orçamentos conjugados no que diz respeito às atividades na Antártica.

Raupp disse que cabe ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação o desenvolvimento de programas científicos e ao Comando da Marinha a manutenção logística das operações. O ministério vai ouvir pesquisadores de oito universidades e institutos, que desenvolvem projetos no continente, para avaliar a extensão e os prejuízos em relação às pesquisas em curso devido ao incêndio que atingiu a Estação Comandante Ferraz, no último dia 25.

O secretário executivo do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, Luiz Antonio Elias, responsável pelo detalhamento de R$ 1,4 bilhão, definido pela área econômica para a pasta, disse à Agência Brasil que os recursos para a pesquisa na Antártida estão “assegurados e não sofrerão contingenciamento”.

Leia também:
Nova base não ficaria pronta antes de três anos, diz arquiteta
Falha no sistema elétrico pode ter causado incêndio, diz embaixador
Acidente em base na Antártida expõe crise do programa brasileiro
Pesquisadores e militares que estavam na Antártida voltam ao Brasil
Chile oferece ajuda na reconstrução da base na Antártica
70% da estação na Antártida foi destruída pelo fogo, diz Marinha
Acidente expõe crise do programa brasileiro, diz pesquisador
Nova estação antártica terá segurança redobrada, diz Celso Amorim

Para Raupp, a possibilidade inicial é que mais pesquisas na Antártica venham a ser descentralizadas – feitas fora da estação que será reconstruída. Atualmente um sistema semelhante ocorre com a execução do Módulo Criosfera 1, instalado em dezembro de 2011, que se refere às pesquisas sobre clima na região, operado por tecnologia.

Raupp também considera como alternativa usar mais navios para dar apoio às pesquisas na Antártica, como as embarcações Ary Rangel, conhecido como Gigante Vermelho, e Almirante Maximiano. “Por que não usá-los?”, reagiu o ministro, lembrando que o navio Almirante Maximiano já está na Antártica e funcionará como base provisória para as pesquisas brasileiras.

Leia os relatos:
“No começo, não achávamos que seria tão grave”

Militares mortos não acharam a saída da casa de máquinas, tomada pela fumaça
"Vi quando colocaram as máscaras para combater o fogo", diz militar
Pesquisadores e militares que estavam na Antártida voltam ao Brasil

Além disso, o comandante da Marinha, almirante de esquadra Júlio Moura Neto, confirmou a reconstrução da estação o mais rápido possível. No acidente, 70% da base brasileira de pesquisas foram queimados. O comandante lamentou o acidente que também matou dois militares.

"O acidente foi uma tragédia. O Programa Antártico tem 30 anos e a Estação Comandante Ferraz, 28 [anos]. O incêndio que destruiu a estação atingiu com muita força nosso programa antártico", disse Moura Neto. "Vamos agora encontrar soluções para prosseguir com os projetos de pesquisa para que, no próximo verão antártico, possamos retomar os trabalhos. Mas o que o comandante da Marinha do Brasil sente é a perda de dois homens, que são heróis”, completou.

    Leia tudo sobre: antártidacomandante ferrazincêndio

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG