Radares dos EUA podem ter afetado Phobos-Grunt, diz especialista

Radiação eletromagnética seria motivo para sonda russa ficar presa em órbita terrestre ao invés de seguir para Marte

EFE |

AP
Para especialista russo, trajetória da Phobos-Grunt passou pela zona de cobertura de radares americanos no Alasca
Radares americanos podem ter provocado a falha da estação interplanetária russa Phobos-Grunt que ficou em órbita terrestre ao invés de seguir para Marte, disse nesta quinta-feira (24) o tenente-general Nikolai Rodionov, ex-comandante-em-chefe do sistema de prevenção de ataques de mísseis da Rússia.

"A trajetória da sonda Phobos-Grunt passou pela zona de cobertura de poderosos radares americanos no Alasca. Temo que a potente radiação eletromagnética dessas estações tenha afetado os equipamentos de controle da sonda interplanetária", avaliou Rodionov, citado pela agência "Interfax".

Ele ressaltou que a Rússia deveria se preocupar com a presença de radares americanos na Noruega e no Alasca. Rodionov sugeriu ainda as autoridades de seu país a usarem menos componentes eletrônicos estrangeiros na fabricação de mísseis e equipamentos espaciais russos.

"A qualquer momento (os fabricantes estrangeiros) poderiam enviar alguns sinais, ativar chips para deixar fora de serviço um míssil ou uma nave espacial", explicou.

Na quarta-feira à noite, especialistas da Agência Espacial Europeia (ESA) conseguiram pela primeira vez receber dados de telemetria a partir da sonda russa , que até então não tinha emitido sinal desde o lançamento.

Leia mais:
Sonda russa está na órbita terrestre e pode cair em breve
Voluntários concluem viagem simulada para Marte após 520 dias
Linhas na superfície de Marte durante o verão podem ser água
Robô que vai estudar Marte chega à base de lançamento

A Phobos-Grunt deviria cumprir uma missão de 34 meses, incluindo o voo da Phobos, a descida em sua superfície e, finalmente, o retorno à Terra de uma cápsula com mostras do solo do satélite marciano.

Com custo de US$ 170 milhões, o projeto tinha como objetivo estudar a matéria inicial do sistema solar e ajudar a explicar a origem de Fobos e Deimos, a segunda lua marciana, assim como dos demais satélites naturais no sistema solar.

Roscosmos, a agência espacial russa, declarou que tem até o fim de novembro para tentar reativar a Phobos-Grunt e colocá-la rumo ao seu destino: Phobos, uma das duas luas de Marte.

    Leia tudo sobre: RÚSSIA ESPAÇO

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG