Pterossauros pré-históricos voavam bem, mas não com vento forte

Estudo da capacidade aerodinâmica mostrou que pterossauros se adaptaram a apenas alguns tipos de voo

AFP |

Science/AAAS/ Karen Carr
Decolagem difícil: pterossauros pesavam cerca de 200 kg e tinha envergadura de até 12 metros

Os pterossauros, os primeiros e maiores vertebrados com capacidade de voar conhecidos, se adaptaram muito bem às brisas tropicais, mas caíam em caso de tempestade forte, segundo um estudo britânico publicado na "Biological Letters" da Royal Society nesta quarta-feira (24).

Os biólogos especializados na evolução estudam há muito tempo as capacidades aerodinâmicas dessas criaturas gigantes, que viveram na Terra ao mesmo tempo em que os dinossauros durante a era mesozoica (de 220 a 65 milhões de anos).

Alguns cientistas mencionaram inclusive a hipótese de que os pterossauros, entre eles o mais conhecido, o pterodáctilo ("dedo voador" em grego antigo), simplesmente não podiam voar.

Colin Palmer, engenheiro e paleontólogo da Universidade de Bristol (Grã-Bretanha), demonstrou, no entanto, através de experimentos com vento artificial, que esses animais pré-históricos na realidade se adaptaram muito bem a certos tipos voo.

Com base no estudo de fósseis, Palmer criou modelos de asas de pterossauro com resina e fibra de vidro de carbono. Depois, inspirando-se em experiências realizadas com pás de hélices e cascos de veleiros, testou a resistência e a aerodinâmica destas asas num túnel de vento, como qualquer engenheiro aeronáutico testando a asa de um avião.

Segundo ele, os pterossauros se adaptaram a um voo tranquilo, transportado pelas correntes cálidas ascendentes, principalmente nas ladeiras de colinas e nas zonas costeiras.

Este voo lento e de geometria variável também lhes permitia pousar suavemente, reduzindo o risco de quebrar os ossos, relativamente frágeis, ao tocar o solo.

"Os ossos dos pterossauros era ocos e, portanto, muito vulneráveis em caso de choque, porque uma baixa velocidade na aterrissagem era um elemento importante para evitar lesões", indica Colin Palmer.

Suas experiências também mostraram, no entanto, que o menor vento de tempestade certamente precipitava essas criaturas ao solo.

"Em contrapartida, os pterossauros sofriam de uma alta vulnerabilidade a ventos fortes e turbulências, tanto em voo como em terra, como os planadores modernos", resume o pesquisador.

    Leia tudo sobre: dinossauropterossauroaerodinâmica

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG