Prêmio Nobel nega ter aceitado convite de Mercadante

Em entrevista ao iG, Ada Yonath disse que, ao contrário do que informou MCT, apenas achou o convite uma boa ideia

Maria Fernanda Ziegler, iG São Paulo |

Apesar de Ministério da Ciência e Tecnologia ter afirmado ontem (17) que a prêmio Nobel de Química Ada Yonath será a primeira cientista de excelência a fazer parte do Programa Ciência Sem Fronteiras, a pesquisadora israelense negou, em entrevista exclusiva ao iG , ter aceitado a proposta. Ada afirmou apenas que achou o convite muito interessante, mas que não é “o tipo de coisa que se decide em dois minutos”.

O presidente do CNPq, Glaucius Oliva disse ao iG que de fato o anúncio do Ministério não é verdadeiro. “Ela disse que esta interessada, mas que não é para já”, disse Oliva. Na tarde de sexta-feira (19), o site do Ministério da Ciência e Tecnologia corrigiu a nota publicada no dia anterior com o anúncio da contratação de Ada Yonath .

“ O mais importante é criar uma relação com estes pesquisadores”, disse. Oliva explicou que o projeto compreende em dar uma bolsa para os pesquisadores virem passar três meses por ano no Brasil, fazendo os estudos em laboratórios brasileiros. Em troca receberiam uma bolsa de R$ 14 mil por mês. Oliva afirma que tanto a israelense Ada Yonath quanto o suíço Kurt Wüthrich (prêmio Nobel de Química em 2002) gostaram do projeto.

Agência Brasil
A cientista Prêmio Nobel de Química, Ada Yonath, e o ministro de Ciência e Tecnologia, Aloizio Mercadante, durante conversa ontem em Brasília
“Mas você não pode esperar que em uma conversa de um Nobel com o ministro vai sair um projeto definido”, disse. Oliva afirma que a expectativa é que eles aceitem vir para o Brasil no ano que vem.

O projeto Ciência sem fronteira conta com 75 mil bolsas, 73.800 delas serão destinadas a estudantes brasileiros irem para o exterior. Outras 1200 bolsas serão de atração de talentos para o Brasil, tanto de pesquisadores estrangeiro como brasileiros que estudam no exterior. Destas 1200 bolsas, 400 serão destinadas para pesquisadores tops como Ada Yonath e Kurt Wüthrich.

Leia abaixo a entrevista com a Nobel de Química (2010) Ada Yonath.

iG: Por que a senhora aceitou o convite do ministro para participar do programa Ciência sem Fronteira?
Ada Yonath:
Quem te falou que eu aceitei? Eu disse que aceitei como um princípio. Isto quer dizer que eu achei o convite uma boa ideia, mas isto não é aceitar. Eu disse apenas que achava a idéia boa e que eu devo considerá-la no futuro.

iG: Então a senhora não aceitou o convite?
Ada Yonath:
Não, não é uma questão de aceitar ou não aceitar, de sim ou de não. O convite é uma boa ideia e eu vou considerar isto. Mais isto não é aceitar. É uma boa ideia, que se encaixa bem. Mas eu não sei se vai funcionar, mesmo assim é uma boa ideia.

iG: O ministério disse ontem que a senhora aceitou. Então isto não é verdade?
Ada Yonath:
Foi aceito, mas não para agora nem foi discutido como, nem se será necessariamente eu.

iG: Não há um contrato nem um plano?
Ada Yonath:
Não. Não há contrato e nem um plano para isto. O ministério tem planos, eles sabem o que ofereceram e é um bom plano. Eles me ofereceram boas condições. O salário não é o mais importante, o mais interessante são as condições de pesquisa científica que eles ofereceram. Mas eu realmente não preciso mais estudar agora.

iG: A proposta foi de fazer o que aqui no Brasil?
Ada Yonath
: O que eu quisesse. Olha, eu não te falei que a proposta não era excelente, eu só disse que não é o tipo de coisa que se decide em dois minutos. Eu posso considerá-la.

Agência Brasil
Ada Yonath: quem disse que eu aceitei o convite?
iG: Então porque anunciaram que a senhora aceitou o convite?
Ada Yonath:
Eu acredito que houve um mal entendido. Quando eu disse que era um bom programa e que eu estou pronta para divulgá-lo em Israel, eles me chamaram de embaixadora, embaixadora informal do Brasil no Instituto Weizmann. Eu disse que eu faria isto com prazer e eles provavelmente entenderam que para mim seria um prazer vir. E não é exatamente isto o que vai acontecer agora. Isto pode acontecer. Eu não estou dizendo que nunca virei para cá, mas também não significa que a proposta foi aceita.

iG: Significa que a senhora vai volta para Israel e continuar trabalhando no seu laboratório. A sua vida continua igual ao que era antes?
Ada Yonath:
Provavelmente diferente, pois eu nunca recebi uma proposta tão boa.

iG: Na sua opinião qual a importância de mandar cientistas para fora do país em programas como o Ciência sem Fronteiras?
Ada Yonath:
A ciência não tem fronteiras. A ciência não tem nada a ver com política e governos. O que importa é a troca de o que pensamos e da maneira como fazemos a ciência. Então, a grande questão em ciência é a interação de pessoas. Por isto, acredito que será uma coisa boa para o Brasil assim como esta troca é importante para os outros países.

iG: Na sua opinião qual é a importância de um país sem nenhum Nobel contratar um laureado?
Ada Yonath:
O prêmio Nobel não é importante. A boa ciência é importante. As vezes o prêmio Nobel não vem, outras vezes ele vem. A ideia de fazer com que pessoas se encontrem é boa, pois encoraja os cientistas em seus trabalhos.

iG: Caso a senhora venha para cá, como acredita que pode ajudar para o progresso da ciência?
Ada Yonath:
Não sou eu que tenho que ajudar. As pessoas que trabalham aqui precisam amar seus trabalhos e estarem abertas. Eu não acho que posso ajudar o Brasil vindo pra cá. Os brasileiros podem fazer isto sozinhos. Eles realmente não precisam de mim.

Reprodução
Site do Ministério de Ciência e Tecnologia com o anúncio de que Ada Yonath tinha aceitado o convite

Leia mais: "Natal terá enxurrada de tablets competitivos", diz Mercadante

    Leia tudo sobre: prêmio Nobelada Yonathmercadante

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG