Estudo prevê queda da natalidade e aumento do número de idosos no País

Estudo prevê que população do Japão fique abaixo dos 90 milhões de habitantes
Getty Images
Estudo prevê que população do Japão fique abaixo dos 90 milhões de habitantes
A população japonesa deve diminuir 30 por cento até 2060, ficando abaixo dos 90 milhões de habitantes, sendo dois quintos deles maiores de 65 anos, disse o governo local nesta segunda-feira (26), num sinal do forte ônus financeiro que recai sobre uma das sociedades que mais rapidamente envelhecem no mundo.

O estudo realizado a cada cinco anos pelo Instituto Nacional de População e Seguridade Social japonês, prevê que a queda da natalidade e o aumento dos idosos seja a tendência dominante nos próximos 50 anos

O primeiro-ministro Yoshihiko Noda já prometeu duplicar em duas etapas, até outubro de 2015, o imposto sobre o consumo, que é de 5 por cento, na esperança de que isso ajude a reduzir o déficit previdenciário no Japão, que aumenta à razão de 1 trilhão de ienes (13 bilhões de dólares) por ano e agrava uma dívida pública que já alcança quase o dobro do valor do PIB japonês, que é de 5 trilhões de dólares.

Leia mais:
Infográfico: um mundo com sete bilhões de pessoas
Pequena filipina simboliza o ser humano de número 7 bilhões
Futuro do planeta depende de planejamento familiar e agricultura

"A tendência de envelhecimento da sociedade irá continuar, e é difícil esperar que a taxa de natalidade vá subir significativamente", disse Osamu Fujimura, chefe de gabinete do governo, em entrevista coletiva. "Sendo assim, é necessária uma abrangente reforma tributária e previdenciária."

A população japonesa tem o maior ritmo de envelhecimento entre os países desenvolvidos, por causa da baixa taxa de natalidade e da elevada expectativa de vida.

A população, que era de 128,06 milhões em 2010, deve cair para menos de 100 milhões em 2048, e para 86,74 milhões em 2060, segundo projeção divulgada nesta segunda-feira pelo departamento de pesquisas do Ministério da Saúde.

Até 2060, o número de japoneses com até 14 anos deve cair para 7,91 milhões, menos de metade do número atual. Já a população com 65 anos ou mais deve aumentar em 18 por cento, chegando a 34,64 milhões, o que representará 39,9 por cento da população total - na estimativa de 2010, esse grupo compunha 23 por cento do total.

O envelhecimento da população, um dos grandes problemas para o futuro do sistema de seguridade social do Japão, fez com que em 2011 o consumo do mercado dos maiores de 65 anos gerasse mais de 100 trilhões de ienes, segundo um relatório da seguradora Daiichi. Isso representa um aumento de 2,4% em relação a 2010 e cerca de 44% do total do consumo do Japão, segundo os dados da Daiichi.

Perante o envelhecimento demográfico, muitas empresas japonesas adaptaram seus produtos e negócios para este segmento da população, que em geral conta com um grande poder aquisitivo, e ajudou no desenvolvimento de novas indústrias, como a dos robôs de assistência.

(Com informações da EFE e da Reuters)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.