Ratos expostos à poluição apresentaram problemas em neurônios relacionados com a aprendizagem além de sinais de Alzheimer

Poluentes presentes na atmosfera das grandes cidades provocaram danos cerebrais em ratos
Getty Images
Poluentes presentes na atmosfera das grandes cidades provocaram danos cerebrais em ratos
A exposição à poluição provocada automóveis pode ter resultado em danos cerebrais, semelhantes à perda de memória e à doença de Alzheimer, informaram pesquisadores americanos nesta quinta-feira (7). Cientistas recriaram os poluentes que vêm da queima de combustíveis fósseis e expuseram ratos ao ar poluído por 15 horas por semana durante 10 semanas.

As pequenas partículas de ar tinham o tamanho de 1 milésimo da largura de um cabelo humano, sendo muito pequenas para serem retidas pelo sistema de filtro dos automóveis, mas exerceram danos consideráveis nos cérebros dos ratos expostos, informou o estudo.

"Você não pode vê-las, mas elas são inaladas e têm um efeito nos neurônios do cérebro, aumentando a possibilidade de consequências de longo prazo na saúde", afirmou o autor Caleb Finch, da Universidade do Sudeste da Califórnia.

Vasos oculares revelam efeito da poluição no coração

Cientistas concluíram que a exposição resultou em um "dano significativo" para os neurônios envolvidos na aprendizagem e na memória, e eles detectaram "sinais de inflamação associados ao envelhecimento precoce e à doença de Alzheimer".

O estudo foi publicado na revista especializada Environmental Health Perspectives.

Mais pesquisas são necessárias para determinar se os mesmos efeitos podem ser vistos em humanos.

"É claro que isso leva à questão: 'como podemos proteger os moradores das cidades desse tipo de toxicidade?'. Isso ainda não é sabido", concluiu Finch.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.