Embarcação estava a cerca de 40 metros de profundidade e a 900 metros da praia onde fica a base científica que pegou fogo

A Petrobras deve iniciar ainda esta semana o resgate da embarcação brasileira que naufragou na Antártida, em dezembro de 2011, quando transportava 10 mil litros de óleo combustível para a Estação Antártida Comandante Ferraz, localizada no Continente Antártico. Embora tenha ocorrido há cerca de dois meses, o acidente só foi divulgado no último final de semana.

Em nota, a Marinha informou que assinou um termo de compromisso com a empresa petrolífera brasileira, que já enviou para o local do acidente o navio de apoio Gulmar Atlantis. A previsão é que a embarcação chegue ao seu destino na quarta-feira (29), levando a bordo uma equipe de militares composta por meteorologistas, navegadores, mergulhadores e médico.

De acordo com a Marinha, a chata (embarcação cargueira) afundou devido à “mudança repentina das condições ambientais locais”. Imagens feitas com o uso de um veículo submarino operado a distância indicaram que a embarcação estava a cerca de 40 metros de profundidade e a cerca de 900 metros da praia onde fica a base militar e científica. Nenhum vazamento de óleo foi constatado e a estrutura da embarcação estava preservada.

Para tentar trazer à embarcação à tona, os mergulhadores irão usar boias infláveis e o guindaste do Gulmar Atlantis. Perguntada sobre o eventual risco de vazamento do combustível do tipo anticongelante (gasoil artic), a Marinha informou que “durante a reflutuação serão empregados todos os recursos necessários para a contenção de poluição ambiental”.

O Brasil é signatário de protocolos internacionais de preservação ambiental do Continente Antártico, o que amplia a preocupação da Marinha com um possível vazamento do óleo durante a operação.

A Força destaca “a responsabilidade do Brasil em honrar os compromissos definidos no Protocolo ao Tratado Antártico sobre a Proteção do Meio Ambiente, pelo qual os países membros devem tomar as medidas necessárias para reagir a situações que possam ameaçar o meio ambiente antártico.” Em nota, acrescenta que “com o intuito de mostrar aos demais membros do tratado o nosso compromisso de bem zelar por aquele continente, a Marinha do Brasil solicitou o apoio da Petrobras para, em conjunto, realizar a operação de reflutuação da chata.”

O óleo combustível especial seria usado para abastecer os geradores da base brasileira, reabastecida anualmente durante o verão antártico, de novembro a março, por navios da Marinha. A estação abriga pesquisadores brasileiros que fazem estudos financiados pelo governo brasileiro sobre os efeitos das mudanças climáticas na Antártida e suas consequências para o planeta, além de pesquisas sobre a vida marinha e a atmosfera.

Um incêndio na madrugada do último sábado (25) destruiu, segundo a própria Marinha, cerca de 70% das instalações da base brasileira, comprometendo 40% do Programa Antártico Brasileiro, matando dois militares e ferindo um terceiro.

Leia notícias sobre incêndio na base na Antártida:
Nova base não ficaria pronta antes de três anos, diz arquiteta
Falha no sistema elétrico pode ter causado incêndio, diz embaixador
Acidente em base na Antártida expõe crise do programa brasileiro
Pesquisadores e militares que estavam na Antártida voltam ao Brasil
Chile oferece ajuda na reconstrução da base na Antártica
70% da estação na Antártida foi destruída pelo fogo, diz Marinha
Acidente expõe crise do programa brasileiro, diz pesquisador

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.