Pesquisadores identificam mecanismo que melhora o aprendizado

De acordo com estudo, proteína FGL deixa comunicação entre os neurônios mais plástica

EFE |

Getty Images
Proteína é capaz de induzir a incorporação de novos receptores na comunicação entre neurônios
Pesquisadores espanhóis identificaram um mecanismo molecular que após manipulado aumentou a capacidade de aprender e reter informação em ratos de laboratório.

O estudo, realizado por pesquisadores do Centro de Biologia Molecular Severo Ochoa, acaba de ser publicado na "PLoS Biology" e foi destaque na "Nature".

Os neurônios se comunicam entre si através da sinapse, uma complexa troca de informações que envolve vários processos químicos e elétricos.

A sinapse nem sempre é igual, já que algumas conexões sinápticas sofrem modificações como consequência de uma atividade ou experiência prévia vivida pelos neurônios, um fenômeno conhecido como "plasticidade sináptica" e considerado o substrato celular da aprendizagem e da memória do ser humano.

Leia mais:
Células da pele têm memória contra infecções, diz estudo
Pesquisadores criam neurônios com Alzheimer a partir de células-tronco

Esta pesquisa apresenta novos dados sobre os mecanismos moleculares deste processo e como podem ser manipulados para facilitar a memória.

No estudo, os autores demonstram que as sinapses podem ser feitas de forma mais plástica usando um pequeno fragmento de uma proteína (peptídio) que está envolvida na comunicação celular.

Concretamente, este peptídio (FGL, em sua abreviatura) é capaz de induzir a incorporação de novos receptores de neurotransmissores nas sinapses do hipocampo, região do cérebro envolvida na aprendizagem e na memória.

Assim, quando os pesquisadores administraram a FGL em ratos de laboratório, observaram que sua capacidade de aprender e reter informação espacial aumentava.

O pesquisador José A. Esteban, do centro Severo Ochoa, explica que "há aproximadamente três décadas sabemos que as conexões sinápticas entre neurônios não são estáticas, mas respondem à atividade neuronal modificando sua intensidade".

"Assim - ele continua -, estímulos do exterior podem fazer com que algumas sinapses se potencializem, enquanto outras se debilitam; um código de baixas e altas de intensidade que permitem ao cérebro armazenar informação e formar memórias durante a aprendizagem".

O trabalho revela portanto os mecanismos de plasticidade sináptica que podem ser manipulados farmacologicamente para aumentar a capacidade cognitiva, pelo menos em animais de laboratório.

A também pesquisadora do Severo Ochoa Shira Knafo destaca que este tipo de estudo representa uma orientação sobre "possíveis vias de intervenção terapêutica para doenças mentais nas quais estes mecanismos são defeituosos".

    Leia tudo sobre: cérebroneurônioneurociência

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG