Pesquisadores europeus anunciam descoberta de cachalote gigante

Fóssil com 17,5 metros de comprimento e idade aproximada de 12 a 13 milhões de anos foi encontrado no sul do Peru

Thiago André, especial para o iG |

Divulgação/Nature
Ilustração mostra a Leviathan melvillei atacando outra baleia no mar peruano
Um fóssil de baleia com idade entre 12 e 13 milhões de anos foi encontrado entre as cidades de Pisco e Ica, no sul do Peru, como resultado de um esforço conjunto de paleontólogos da Universidade de Utrecht, na Holanda, e do Museu de História Natural das cidades de Roterdã, Paris, Pisa, Lima e Bruxelas. A descrição científica da espécie, que tem comprimento estimado de 17,5 metros, foi publicada na revista ceintífica Nature.

Trata-se de uma cachalote gigante que, de acordo com as evidências encontradas, teria vivido no período conhecido como Mioceno Médio. O animal foi batizado de Leviathan melvillei , nome derivado do hebraico Livyatan, um mítico monstro marinho, e que também homenageia Herman Melville, autor do romance Moby Dick.

Descrito a partir de um crânio 75% completo e com mandíbulas robustas, cabeça de aproximadamente três metros de comprimento e dentes superiores e inferiores que chegam a atingir 12 centímetros de diâmetro e 36 centímetros de comprimento, o fóssil foi considerado como um dos maiores predadores raptoriais, ou perseguidores, que se tem conhecimento.

De acordo com o grupo de cientistas responsável pelo achado, é a primeira vez que se encontra um predador com uma mordida com o tamanho e força da do Leviathan melvillei . Por isso, uma das hipóteses do estudo é que o animal se alimentava de outras baleias, diferente dos cachalotes atuais, que, por terem uma arcada dentária menor, se alimentam de lulas e outros moluscos.

Os cientistas propõem ainda que, como predadores considerados “de topo”, ao lado do contemporâneo tubarão da espécie Carcharocles megalodon , a baleia gigante recém-descoberta provavelmente teve um impacto decisivo na estruturação das comunidades marinhas do Mioceno, período de moldagem da fauna e flora do planeta, compreendido entre 23 milhões e 5 milhões de anos atrás.

O Museu de História Natural de Roterdã, na Holanda, deverá expor até o final do ano os moldes reconstruídos do Leviathan melvillei. Os fragmentos originais do fóssil ficarão arquivados na coleção científica do Museu de História Natural de Lima, no Peru.

    Leia tudo sobre: baleiafóssilcachalotes

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG