Estudo revelou que grupo de plantas derivou de linhagem de 10 milhões de anos e não de cicadáceas da época dos dinossauros

Muito comum em jardins, a cica não pode mais ser considerada um fóssil vivo
Image © Science/AAAS]
Muito comum em jardins, a cica não pode mais ser considerada um fóssil vivo
As plantas cicadáceas, tidas como fósseis vivos, organismos presentes na Terra desde a época dos dinossauros, caíram de posto. Um novo estudo, baseado em análises genética, mostrou que ao contrário do que se pensava elas são derivadas de uma linhagem de cinco a dez milhões de anos. Isso é muito mais recente que os 200 milhões de anos que separam os dias de hoje da época em que os dinossauros dominavam o planeta. O grupo de plantas estudado inclui as cicas ( Cycas taitungensis ), espécie comumente usada na decoração de jardins. 

Para Tiago Bosisio Quental, professor do Instituto de Biologia da USP, que participou do estudo publicado nesta quinta-feira (20) no periódico científico Science, a descoberta indica que as espécies vivas hoje certamente não estavam presentes ao mesmo tempo dos dinossauros, já que eles se extinguiram há cerca de 65 milhões de anos.

"Isso não quer dizer que não existiam cicas no tempo dos dinossauros. Os resultados do estudo mostraram que, ao contrário do que se pensava, todas as cicas que coexistiram com os dinossauros estão extintas e hoje temos outras espécies", disse Quental ao iG .

A descoberta muda a compreensão sobre este grupo, pois a maioria destas plantas em todo o mundo começou a se diversificar ao mesmo tempo, na América do Sul, Austrália e África. “O curioso é que isso ocorreu de forma sincronizada em todo o nosso planeta, o que sugere que um efeito global poderia ter causado esse padrão, provavelmente um efeito climático", disse.

Leia mais:
Planta fóssil indica que girassol surgiu na América do Sul
Mistério de florestas fossilizadas na Antártida é desvendado
Avaliação de espécies de plantas ameaçadas deve ser reconsiderada
Plantas amazônicas estavam adaptadas para aquecimento global
Ovelhas alteram registro de anéis das árvores

Sequência reveladora
A reviravolta no mundo da botânica se deu depois que a equipe usou sequências de DNA das plantas e de fósseis para calcular o relógio molecular. A técnica permite que pesquisadores descubram quando as espécies surgiram e quando divergiram a partir dão número de moléculas diferentes na sequência de DNA.

“Nós olhamos o relógio molecular de cicadófitas no mundo inteiro e descobrimos que as espécies de hoje não se originaram na época dos dinossauros, não podem assim serem consideradas fósseis vivos”, disse ao iG Nathalie Nagalingum, do Jardim Botânico Real de Sydney na Austrália e uma das líderes do estudo. Com base nos resultados do estudo, os pesquisadores querem reavaliar as causas de diversificação e também redefinir o termo fóssil vivo. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.