Pesquisadores criam banco de células de pacientes com mal de Parkinson

Cientistas criam células cerebrais a partir de amostras de pele de voluntários que sofrem com a doença

BBC Brasil |

selo

Pesquisadores em Oxford, na Grã-Bretanha, criaram um banco de células cerebrais geradas artificialmente a partir do material genético de pacientes que sofrem do mal de Parkinson .

A BBC apurou que os pesquisadores estão usando uma nova técnica, que lhes permite transformar um pequeno pedaço de pele do paciente em um pequeno pedaço de cérebro.

É a primeira vez que esse procedimento é feito em um estudo de larga escala, cujo objetivo é encontrar possíveis curas para o mal de Parkinson .

Os estudiosos afirmam que, com os avanços, eles devem conseguir analisar as células nervosas dos pacientes à medida que elas começam a se deteriorar.

A primeira leva de celular nervosas foi criada a partir de células de Derek Underwood, 56 anos, morador do condado de Oxfordshire.

Underwood, que teve de se aposentar precocemente por causa do avanço do mal de Parkinson, será o primeiro dos 50 pacientes cujas células, retiradas da pele, serão usadas para criar células cerebrais, como parte do estudo de cinco anos de duração.

Segundo Richard Wade Martins, da Universidade de Oxford, líder da pesquisa, a meta é criar um “banco cerebral”, que permita que os cientistas estudem a evolução da doença com detalhes nunca vistos.

“O cérebro é um órgão inacessível, não podemos tirar partes deles para estudá-los”, disse Wade Martins. “(Com o novo banco) teremos células que serão iguais às do cérebro de Derek (Underwood), porém acessíveis e possíveis de serem produzidas em quantidade ilimitada.”

Laboratório
O primeiro passo, segundo a médica Michelle Hu, do Hospital John Radcliffe, em Oxford, será comparar as células tiradas dos pacientes com outras tiradas de voluntários saudáveis. Assim, será possível notar suas diferenças.

“Pela primeira vez, podemos olhar para as células antes que elas se deteriorem e observar suas mudanças iniciais”, ela explicou.

“Podemos observar quais processos celulares estão causando a morte das células e entender o porquê de elas adoecerem. E queremos saber se há tratamentos que possam reverter esse processo e ajudar os pacientes a reconquistar suas funções normais.”

Trata-se do primeiro estudo clínico de larga escala a usar a técnica desenvolvida por cientistas japoneses há três anos, chamada de “ células-tronco pluripotente induzida” (IPS, na sigla em inglês).

Genes são inseridos nas células de pele, reprogramando-as para se converterem nas células cerebrais.

A técnica IPS é semelhante à de células-tronco embrionárias. Mas a IPS não resulta na criação de um embrião – despertando, dessa forma, menos questionamentos no âmbito ético.

    Leia tudo sobre: saude

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG