Pesquisadores conseguem fazer robôs mentirem

Pesquisadores da Geórgia Tech desenvolveram algoritmos que permitem que o robô decida se deve enganar outro robô ou um humano

iG São Paulo |

Divulgação
Professor Ronald Arkin (esquerda) e o engenheiro Alan Wagner observam robô preto enganando o robô vermelho
Um robô engana o soldado inimigo se escondendo para não ser pego. A cena pode até parecer do filme o Exterminador do Futuro, mas na verdade é apenas o cenário de um experimento conduzido por pesquisadores do Instituto de Tecnologia da Geórgia.

“Nós desenvolvemos algoritmos que permitem que o robô determine se deve enganar um humano ou outra máquina inteligente. Também criamos técnicas que ajudam o robô a selecionar a melhor estratégia para enganar, reduzindo sua chance de ser descoberto”, disse Ronald Arkin, professor da escola de computação interativa do Geórgia Tech.

O resultado do experimento foi publicado na revista científica International Journal of Social Robotics. Como os pesquisadores exploraram o fenômeno em uma perspectiva ampla, os resultados são aplicáveis tanto na interação robô-robô quanto robô-humano.

No futuro, robôs com a capacidade de enganar poderão ser usados em diversas áreas, inclusive em operações militares e estratégias de busca e salvamento. Em situações de campo de batalha, os robôs poderão ser usados para esconder objetos e informações valiosas e enganar o inimigo. Em operações de busca e salvamento, eles poderiam acalmar ou receber a colaboração da vítima em pânico.

Os pesquisadores se concentraram nas ações, crenças e comunicações de um robô tentando se esconder de outro robô. Assim, desenvolveram programas sobre o comportamento enganoso. O primeiro passo foi ensinar o robô enganador a reconhecer uma situação que justifica a utilização da mentira.

Wagner Arkin utilizou a teoria da interdependência e a teoria dos jogos para desenvolver algoritmos que testaram o valor do logro em uma situação específica. A situação tinha que satisfazer as duas condições fundamentais para justificar a fraude - deveria haver conflito entre o robô enganador e o outro e o enganador teria de se beneficiar com o engano.

    Leia tudo sobre: robóticamentirainteligência artificial

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG