Período de contágio da febre aftosa é menor que o esperado

Estudo revelou que animais infectados pelo vírus da febre aftosa transmitem a doença por menos de dois dias

AFP |

Science/AAAS
Vírus da febre aftosa (vermelho) se reproduz próximo ao núcleo de uma celula infectada (em azul)
O período de contágio do gado infectado pelo vírus da febre aftosa é duas vezes mais curto do que se acreditava anteriormente, revelou um estudo realizado por cientisas britânicos e publicado nesta quinta-feira (5) pela revista americana 'Science'.

Novos exames, dizem os especialistas, provaram que os animais infectados pelo vírus da febre aftosa só transmite a doença durante 1,7 dia e não 3,4 dias como se pensava. "Com isso, a possibilidade de propagação do vírus fica muito mais limitada", afirmou Mark Woolhouse, da Universidade de Edimburgo, no Reino Unido, um dos autores do estudo.

Segundo os cientistas, a descoberta leva a crer que as polêmicas medidas usadas para deter a propagação da infecção, como matar grande parte do rebanho, poderão ser reduzidas.

"A descoberta poderá tambem mudar a forma como os especialistas em infecção abordam as enfermidades de uma maneira geral, inclusive as que afetam os humanos", disse Woolhouse.

A comprovação da nova tese foi possível mediante experimentos que determinaram o momento preciso da incubação e infecção do vírus de febre aftosa.

    Leia tudo sobre: EUAciênciagadosaúde

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG