Danica May Camacho, nasceu no domingo, dois minutos antes da meia-noite, na capital filipina

Danica Camacho receberá uma bolsa de estudos e seus pais uma quantia em dinheiro
AP
Danica Camacho receberá uma bolsa de estudos e seus pais uma quantia em dinheiro
A Ásia, onde vivem dois terços da população mundial, recebeu simbolicamente o ser humano número sete bilhões, uma pequena filipina de nome Danica cujo nascimento foi celebrado em Manila e ilustra os desafios planetários de crescimento demográfico.

Leia mais:
Futuro do planeta depende de planejamento familiar e agricultura
Infográfico: um mundo com sete bilhões de pessoas

O planeta atingiu a população de seis bilhões em 1999. Na ocasião, a ONU escolheu Adnan Nevic, um menino nascido em Sarajevo, como representante simbólico da marca. Desta vez, a ONU optou por não designar nenhuma criança com antecedência e vários países pretendiam reivindicar a efeméride. 

Leia também:
Brasil tem 15 anos para colher bônus da força de trabalho

Países se beneficiaram com mudança na estrutura demográfica
Famílias menores facilitam planejamento de políticas públicas

Danica May Camacho, nascida no domingo, dois minutos antes da meia-noite, no José Fabella Memorial Hospital, um centro público da capital filipina, tem 2,5 quilos.

Seus pais, Florante Camacho e Camille Dalura, foram felicitados por representantes das Nações Unidas. "É muito bonita. Não posso acreditar que seja a habitante sete bilhões do planeta", comentou emocionada Camille Dalura na sala de partos, invadida pela imprensa.

Danica receberá uma bolsa de estudos e seus pais uma quantia em dinheiro para abrir uma loja.

"O mundo e seus sete bilhões de habitantes formam um conjunto complexo de tendências e paradoxos, mas o crescimento demográfico faz parte das verdades essenciais em escala mundial", declarou a representante do Fundo das Nações Unidas para a População (UNFPA) nas Filipinas, Ugochi Daniels.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.