Pedra lunar trazida pela Apolo 11 revela novos dados sobre a Lua

Análise sugerem que Lua teve núcleo metálico e campo magnético de dínamo

EFE |

EFE
Lua poderia ter tido um núcleo ígneo como a Terra por mais tempo do que se acreditava
A Lua pode ter tido um núcleo ígneo como o da Terra - causado por metais líquidos - durante mais tempo do que se pensava, segundo o estudo de uma rocha lunar trazida pelos astronautas da nave Apolo 11 publicado nesta quinta-feira.

A descoberta da magnetização que permanece nas amostras de rochas coletadas pelas missões lunares Apolo e pelas observações da crosta lunar sugerem que a Lua teve um núcleo metálico e um campo magnético de dínamo.

O efeito dínamo consiste na geração espontânea de um campo magnético em um fluido condutor eletricamente neutro com o movimento de rotação.

Por exemplo, no caso da Terra, acredita-se que esse campo magnético é causado pelo movimento de convecção do ferro e níquel fundidos no seu núcleo.

Leia mais:
Magma da Lua contém tanta água quanto o terrestre
Vídeo: Perto da Terra, Lua aparece maior e mais brilhante
Nasa disponibiliza informações sobre missões à Lua
Nasa apresenta imagem mais completa da Lua

Na edição desta semana da revista "Science", Erin Shea, do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), e sua equipe revelam que uma pedra lunar trazida pela Apolo 11, em 1969, registra a evidência de dínamo na Lua há 3,7 bilhões de anos.

Há muito tempo a comunidade científica suspeitava que a Lua tivesse um campo magnético de dínamo em seu núcleo.

Estas descobertas abrem uma nova questão ao considerar que o resfriamento do interior da Lua provavelmente não foi o principal impulsionador do dínamo, como sugere a teoria atual.

Os pesquisadores precisam encontrar fontes alternativas que podem ter gerado dínamo de tamanha longevidade.

    Leia tudo sobre: espaçoluanasa

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG