Paracetamol alivia ¿dor-de-cotovelo¿

Estudo mostrou que analgésico ajuda a diminuir sofrimentos sociais e mostra conexão entre as dores física e emocional

Alessandro Greco, especial para o iG |

Toda vez que uma dor de cabeça começa a incomodar, lá vai remédio nela. Agora imagine que um dos medicamentos mais usados contra este incômodo, que ataca milhões de pessoa em todo o mundo, servisse também para diminuir o sofrimento psíquico, como a dor emocional causada por uma separação, por exemplo.

Esta é basicamente a descoberta da equipe liderada por C. Nathan DeWall, da Universidade de Kentucky, dos Estados Unidos. O grupo estudou os efeitos do paracetamol (composto ativo de remédios populares como Tylenol) e descobriram que quem tomou o medicamento durante três semanas teve menos atividades cerebral nas regiões do cérebro relacionadas à problemas sociais (separação, notas ruins, etc). Os pacientes também afirmaram ter sentido menos sofrimento emocional do que os que não tomaram o remédio.

O estudo, publicado recentemente na revista Psychological Science, é o primeiro a mostra a relação entre a dor física e social segundo os pesquisadores. Ou seja: uma parece estar intimamente conectada à outra. “Esse estudo reconhece a complexidade do adoecer, físico e mental. Ele é muito mais amplo que aqueles contidos nos manuais de diagnóstico que foram elaborados utilizando as delimitações conceituais de cada enfermidade, a partir da observação de pacientes em tratamento, seja hospitalar ou ambulatorial.”, explica o psiquiatra Edson Capone de Moraes Júnior, da Universidade Estadual Paulista (Unesp).

A relação entre as duas dores também permeia outras vertentes da vida humana. “Dores físicas e sociais têm [também] similaridades ao nível lingüístico. Pessoas frequentemente usam palavras relacionadas à dor física para descrever sua dor social, como ‘machucado’ e ‘esmagado’. Dor física produz respostas similares às que são encontradas após [uma pessoa] sofre dor social. Por exemplo, expor pessoas a dor física leva elas a se comportar agressivamente. E expor pessoas a um evento social doloroso, como rejeição social, também leva elas a se comportar agressivamente”, explicou ao iG De Wall.

A conexão entre os dois tipos de dor pode existir por uma questão evolutiva. Muitos mamíferos, inclusive os humanos, têm uma infância longa na qual não são capazes de se alimentar ou defender sozinhos – essa conexão pode ser importante para a sobrevivência. “Ao cooptar os sistemas de dor físico e social, as pessoas podem ser alertadas de potenciais situações em que experimental exclusão social. Assim podem corrigir seu comportamento para serem aceitas no futuro”, afirma De Wall.

Agora, não adianta sair por aí tomando paracetamol para resolver dor de cotovelo. Segundo os pesquisadores é necessário fazer mais pesquisas antes de que essa possa ser uma arma contra os males do coração. “É muito cedo ainda para falar no uso de paracetamol para essa finalidade no presente momento. Necessitamos mais estudos, com prazo maior de duração, entre outros fatores metodológicos”, explica Capone.

    Leia tudo sobre: paracetamoldoresdepressão

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG