Países 'disputam' título de bebê sete bilhões

Como a ONU não escolheu nenhuma criança para ser símbolo do novo recorde populacional, Filipinas, Índia e Rússia disputam título

BBC Brasil |

selo

AP
A recém-nascida Nargis e sua mãe Vinita, considerada a bebê 7 bilhões por uma ONG indiana
Diversos países ao redor do mundo decidiram escolher recém-nascidos para representar o bebê número sete bilhões nesta segunda-feira (31).

A ONU definiu o dia 31 de outubro como a data simbólica do marco populacional. As Filipinas foram o primeiro país a celebrar, com o nascimento de Danica May Camacho, no hospital Jose Fabella, na capital Manila.

A menina acabou vindo ao mundo pouco antes do previsto - às 23h58 de domingo - mas os médicos disseram que era perto o suficiente da data para que ela fosse considerada a bebê sete bilhões.

Além de presentes e um bolo comemorativo, a bebê teria recebido uma bolsa de estudos e a família, ajuda financeira.

Leia mais:
Infográfico: um mundo com sete bilhões de pessoas

Futuro do planeta depende de planejamento familiar e agricultura

Danica May Camacho, nascida no domingo, dois minutos antes da meia-noite, no José Fabella Memorial Hospital, um centro público da capital filipina, tem 2,5 quilos.

Índia
Na Índia, a ONG de defesa dos direitos das crianças Plan International escolheu a bebê Nargis, que nasceu às 7h25 no horário local no Estado de Uttar Pradesh, como a representante do número sete bilhões.

Filha de um fazendeiro pobre, Nargis foi escolhida com o objetivo de chamar atenção para o problema do aborto de meninas e da assimetria da proporção entre homens e mulheres no país.


Segundo a ONG, centenas de milhares de fetos de meninas são abortados na Índia a cada ano, apesar de o procedimento ser proibido e do uso de ultrassom para descobrir o sexo do bebê ser ilegal.

Rússia
Na Rússia, dois bebês nascidos em áreas remotas do país foram escolhidos como símbolos dos sete bilhões.

A televisão estatal russa mostrou imagens de comemoração após o nascimento do menino Pyotr Nikolayev, na província de Kaliningrado, que faz fronteira com a Polônia e a Lituânia.

Mas as autoridades de Kamchatka, do outro lado do país, no Oceano Pacífico, emitiram uma declaração orgulhosa dizendo que o bebê sete bilhões havia nascido na cidade de Petropavlovsk-Kamchatsky.

AP
Danica May Camacho: a candidata a bebê número 7 bilhões das Filipinas
Bebê 6 bilhões
No dia 12 de outubro de 1999, a ONU escolheu um bebê bósnio, Adnan Mevic, como o habitante da Terra de número seis bilhões.

O secretário-geral da época, Kofi Annan, foi até o hospital de Sarajevo e tirou fotos com o menino no colo.

A família Mevic luta contra a pobreza no momento, o que teria levado a ONU a não escolher nenhum bebê como símbolo oficial dos sete bilhões.

Segundo projeções das Nações Unidas, a população mundial deve chegar a oito bilhões em 2025 e a dez bilhões em 2083, mas esses números ainda podem variar dependendo de diversos fatores, como expectativa de vida, acesso a controle de natalidade e taxas de mortalidade infantil.

A ONU também usou o marco dos sete bilhões para pedir que as pessoas reflitam sobre os diversos problemas que poderiam ser causados por um planeta superpopulado, como a falta de água, alimentos ou condições de vida decentes.

    Leia tudo sobre: internacional

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG