Nave de carga europeia vai operar manobra delicada na ISS

Cargueiro ATV-2 vai se acoplar à Estação Espacial Internacional para abastecimento de 4,5 toneladas de combustível

EFE |

EFE
Infográfico mostra manobra que vai acoplar cargueiro ATV-2 "Johannes Kepler" à ISS
A nave de carga europeia ATV-2 "Johannes Kepler" conclui nesta quinta-feira (24) uma delicada manobra de extrema precisão para acoplar-se à Estação Espacial Internacional (ISS), à qual abastecerá com 4,5 toneladas de combustível.

Após percorrer 4 milhões de quilômetros a partir do lançamento no dia 16 de fevereiro no Centro Espacial Europeu de Kuru, na Guiana Francesa, a nave se encaixará à ISS às 13h46 do horário de Brasília.

A operação, controlada pelos engenheiros da Agência Espacial Europeia (ESA) na sua base em Toulouse, no sul da França, e supervisionada da própria ISS pelo astronauta italiano Paolo Nespoli, viverá seus instantes cruciais nos 12,5 últimos metros, reta final que a ATV percorrerá sem interação humana.

Uma vez que Nespoli autorizar seus colegas na Terra para que a operação entre em sua fase final, a nave percorrerá os últimos metros guiada por sensores a laser automáticos, para se acoplar à ISS em uma altitude de 350 quilômetros, sem a intervenção de ninguém.

O responsável da missão ATV da ESA, John Elwood, antecipou em um vídeo da própria agência que será possível ver "as luzes movimentando-se nos refletores da parte de trás da estação, como sinal para mostrar que estão no caminho correto".

"O que faremos será parar em vários pontos. Pararemos a 20 metros, para garantir que tudo está em ordem, nos aproximaremos um pouco mais, voltaremos a parar..., será como ver duas pessoas dançando", explicou.

Nesse momento, a ISS orbitará a uma velocidade de 28 mil km/h enquanto a "Johannes Kepler" viajará 7 metros por segundo mais rápido que sua estação de destino.

Se a operação for concluída com sucesso, os seis astronautas que atualmente se encontram no laboratório orbital da ISS receberão uma carga total de 7,1 toneladas que inclui 100 quilos de oxigênio, 1,6 toneladas de mantimentos e roupa e 4,5 toneladas de combustível entre outras provisões.

A provisão de carburante, a cargo da ATV, servirá para corrigir a órbita da ISS, que perde a cada dia sete metros de altitude, para elevá-la a 40 quilômetros respeito a sua posição atual.

A "Johannes Kepler", sucessora do "Julio Verne" lançado em 2008, se amarrará no mesmo ponto que acaba de libertar sua irmã russa "Progress M-07M" e se transformará durante meses em um novo módulo da ISS, até que no próximo mês de julho percorra o caminho de volta.

Carregada com desfeitos da ISS, a nave se desprenderá da estação e se dirigirá em direção à atmosfera terrestre, onde a maior parte de sua massa se desintegrará de forma controlada.

Os pedaços que sobreviverem ao impacto cairão no cemitério de naves espaciais situado em uma zona desabitada do Pacífico Sul.

A tecnologia do cargueiro europeu, que eventualmente poderia adaptar-se para transportar também astronautas e não só mercadorias será crucial para uma hipotética missão a Marte, onde seria necessário enviar um dispositivo capaz de recolher mostras e de acoplar-se só a outro módulo de maneira autônoma antes de uma possível missão tripulada, comentou Elwood.

A ATV (acrônimo em inglês de Veículo Automatizado de Transferência), chegará à ISS horas antes que a Flórida decole uma nave Discovery com seis astronautas que passarão 11 dias na estação.

Sua missão apresentará à estação um módulo suplementar no qual será possível desenvolver experiências científicas, que foi batizado como "Robonaut 2" e que se transformará no primeiro robô humanóide a flutuar no espaço exterior.

    Leia tudo sobre: espaçoiss

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG