Nasa mapeia 25 mil asteróides, 95 estão próximos da Terra

Até o fim do ano, novo telescópio espacial deve concluir levantamento que ajudará a responder questões sobre formação de planetas

AP |

© AP
Telescópio WISE capta imagem da galáxia Messier 83
Preocupado com a ameaça de asteróides atingirem a Terra? Um dos mais novos telescópios espaciais da NASA detectou, em apenas seis meses, 25.000 asteróides até então nunca vistos. Do total, 95 foram considerados “próximos à Terra”, o que na linguagem astronômica quer dizer uma distância de 48 milhões de quilômetros. A boa notícia é que nenhum deles representa ameaça para o planeta a curto prazo.

Chamado de WISE “Wide-field Infrared Survey Explorer”, o telescópio completa neste sábado (10/07) sua primeira varredura completa do céu e, em seguida, começa uma nova varredura. O que há de mais especial no WISE é a sua capacidade de ver através dos nuvens de pó e fumaça. “A maioria dos telescópios focaliza sobre os objetos mais quentes e mais brilhantes do universo”, disse Richard Binzel, do Instituto de Tecnologia de Massachusetts. “WISE é especialmente sensível para ver o que há de frio e escuro, os objetos mais furtivos do universo”.

Os integrantes da missão estão orgulhosos com as descobertas do projeto, que envolveu 320 milhões de dólares e foi lançado em dezembro. Até o fim do ano, os pesquisadores esperam conseguir ter um censo cósmico com milhões de objetos recém descobertos. Isto pode ajudar a responder questões sobre a formação de planetas, estrelas e galáxias.

Além dos asteróides, WISE também avistou 15 novos cometas. Ele tem espionado centenas de anãs marrons – objetos estrelares maiores que um planeta e muito menores que uma estrela – e confirmou a existência de 20 delas, incluindo algumas das mais frias que já foram conhecidas. O telescópio detectou ainda o que se acreditou ser uma galáxia ultraluminosa, com mais de 10 bilhões de anos luz de distância, que foi formada a partir da colisão de outras galáxias.

AP
Constelação Cassiopeia: o círculo vermelho, no canto esquerdo da imagem, é o SN 1572, também chamado de Supernova Tycho
“Estamos preenchendo lacunas de tudo o que há de próximo da Terra que possa formar galáxias”, disse o cientista que gere a missão Peter Eisenhardt, do laboratório de Propulsão a jato da NASA. “Existe quase um zoológico”.

O telescópio tem 16 polegadas e foi construído pela Laboratório de Dinâmica Espacial da Universidade Espacial de Utah. Ele circunda a Terra a 300 milhas de altura e capta imagens de todo o céu a cada 11 segundos.

Desde que o levantamento começou, a equipe do JPL informou os novos objetos próximos à Terra ao International Astronomical Union's Minor Planet Center, organização que rastreia os pequenos objetos do sistema solar. WISE está descobrindo asteróides próximos à Terra que, em média, são maiores que o que aqueles já encontrados pelos outros telescópios existentes. “Isto deverá ajudar os cientistas a calcular a potencial ameaça destes objetos à Terra”, disse o astrônomo de Harvard Timothy Spahr, diretor do Minor Planet Center.

A missão do novo telescópio vem um quarto de século depois que primeiro mapa de todo o céu foi confeccionado por medições de comprimentos de ondas infravermelhas, em 1983. Mas WISE muito mais poderoso que seu antecessor. A expectativa é que ele continue a tomar as imagens que cubram a metade do céu, até outubro. A NASA divulgou uma imagem por semana das descobertas do novo telescópio espacial. Mas o catálogo completo celestial do que está lá fora, não será divulgado ao público até ao próximo ano, quando os integrantes da missão terão tempo para processar as imagens.

    Leia tudo sobre: nasatelescópiomapeamentoasteróides

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG