Nasa desiste oficialmente do Spirit

Agência espacial dos Estados Unidos encerrou contatos com jipe-robô que pesquisava o terreno de Marte desde 2004

iG São Paulo |

Nasa
Spirit: apesar do início difícil, missão prevista para três meses durou seis anos
A Nasa declarou seus esforços de contato com o jipe-robô Spirit oficialmente encerrados pouco depois da meia-noite desta quarta-feira (25), declarando sua missão em Marte como terminada .

O equipamento, extremamente popular com o público, não tem respondido aos chamados da base há mais de um ano, e os engenheiros da Nasa decidiram investir tempo e dinheiro gastos em seu monitoramento no seu robô gêmeo Opportunity, ainda em pleno funcionamento no planeta vermelho.

“É triste se despedir do Spirit,” disse John Callas, gerente do projeto no Laboratório de Propulsão a Jato, que coordena ambos robôs. “Mas temos que lembrar as descobertas feitas por ele em todos estes anos”.
A agência cancelou um evento de despedida na TV, planejado para a próxima terça-feira, após a AP ter divulgado o fim da missão. No Twitter, vários fãs do robô lamentaram seu fim e agradeceram seu trabalho.

NASA/JPL-Caltech
Imagem do veículo Spirit em ação em 11 de outubro de 2009
Há mais de um ano, o robô entrou em silêncio, após se atolar em um poço de areia durante o inverno marciano. Ele já estava com uma de suas rodas danificadas, só podendo se movimentar de ré, e o posicionamento de seus painéis solares impediu que conseguisse energia suficiente para continuar em funcionamento, mesmo estacionário, e com o frio, acabou congelado. Também enfrentava problemas para armazenar dados em sua memória.

Spirit e seu robô-gêmeo Opportunity chegaram de pára-quedas em lados opostos do hemisfério sul de Marte em janeiro de 2004, em uma missão planejada para durar três meses. Os jipes do tamanho de carrinhos de golfe, que funcionavam com energia solar, foram sucesso instantâneo com o público, que acompanhava suas andanças pelas planícies marcianas e suas paradas para perfurar rochas.

Seu maior feito foi descobrir provas geológicas que Marte, atualmente seco e poeirento, foi bem mais tropical, bilhões de anos atrás. O planeta era mais quente e úmido, condições que sugerem que houve ali um ambiente favorável para vida microbiana. Mas o robô enfrentou dificuldades técnicas sérias no início da missão, conseguiu superá-las e chegou a escalar uma montanha do tamanho da Estátua da Liberdade.

Beber o morto
Quando a equipe responsável pelo robô se reunir na Califórnia, durante o verão norte-americano, o clima vai ser mais de festa do que de funeral, disse David Lavery, do quartel-general da Nasa. “Como um funeral irlandês. Imagino que as pessoas vão se reunir, beber cerveja e contar histórias de quando o Spirit era um robozinho,” brincou.

Um dos cientistas da missão, Steve Ruff, da Universidade Estadual do Arizona, chamou a missão do Spirit de “história de Cinderela”, por seus problemas iniciais em Marte . Mas Ruff disse que, por mais triste que seja o fim da missão, todos tiveram tempo de se despedir do robô: “Não foi uma morte repentina. Foi um declínio lento,” disse. “Isso deu tempo de assimilar que ele [o robô] tinha cumprido seu papel”.

Com o Spirit oficialmente morto, a equipe focará esforços no Opportunity, cuja operação custa 12 milhões de dólares anuais. O robô está a menos de cinco quilômetros de seu próximo destino, a cratera Endeavour, e a Nasa estima que ele deva chegar à sua borda entre setembro e outubro. Em breve, ele terá companhia: em 2012 a Nasa pretende enviar a Marte um novo jipe-robô, bem maior, chamado Curiosity .

(Com informações da AP)

    Leia tudo sobre: spiritnasamarte

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG