Nanorrobô feito de DNA transporta substâncias a células

Nova tecnologia pode ser usada para ministrar medicamentos e alterar comportamento celular

Alessandro Greco, especial para o iG |

Divulgação/Science
Nanorrobô de DNA é uma nova tecnologia para transporte de substâncias
Imagine colocar uma substância em cima de um robô microscópico e ele transportá-la em uma célula específica do corpo. Um trio de pesquisadores da Escola de Medicina de Harvard, nos Estados Unidos, construiu um nanorrobô usando DNA capaz de realizar esta viagem fantástica. “A nanotecnologia de DNA é um método simples e poderoso para criar formas específicas com dimensões nanométricas. Nosso trabalho usou esta técnica para construir um dispositivo que pode chegar até células específicas e entregar ‘cargas’ na superfície delas.”, explicou ao iG Shawn Douglas, um dos autores do artigo que descreve a experiência, publicado esta semana no periódico científico Science. E completou: “Esperamos que este trabalho seja um passo adiante na criação de aplicações práticas para uma tecnologia que até hoje não mostrou ter muita utilidade fora do laboratório”.

No trabalho, um trio de cientistas conseguiu colocar partículas de ouro e fragmentos de anticorpos fluorescentes em cima de nanorrobôs de DNA e fazer com que eles entregassem a carga para células em um meio de cultura em laboratório. Estes nanorrobôs podem ser projetados, por exemplo, para responder a proteínas específicas presentes na superfície de uma célula, entregando sua carga apenas quando as encontrasse. “Esperamos que este dispositivo sirva de base, no futuro, para terapias inteligentes capazes de atingir e matar células cancerígenas sem os efeitos colaterais dos tratamentos tradicionais contra o câncer”, afirmou Douglas.

Leia também:
Nanotecnologia está cada vez mais presente na vida diária
Cientistas criam 'nariz eletrônico' capaz de diagnosticar câncer
Microscópio da IBM permite observar átomos em alta velocidade
Brasil e China terão centro de pesquisa para inovação em nanotecnologia

O próximo passo do trabalho será aumentar a produção dos nanorrobôs. “Assim poderemos começar testes em animais. Será necessário também redesenhar o nanorrobô. O projeto atual dele provavelmente sumiria da corrente sanguínea em minutos se fosse injetado em um camundongo”, ponderou Douglas.

    Leia tudo sobre: nanotecnolçogiarobóticadna

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG