Estudo feito com camundongos detectou alteração em genes presentes nos descendentes está relacionada à esquizofrenia e ao autismo

Pesquisadores descobriram que um mecanismo genético pode explicar porque filhos de pais mais velhos são mais propensos a desenvolver esquizofrenia ou autismo. O estudo publicado recentemente na “Translational Psychiatry” mostrou que camundongos filhos de pais mais velhos tiveram aumento no número de cópias de uma seção do DNA, em comparação com camundongos filhos de pais mais jovens.

“As descobertas foram muito mais fortes do que imaginávamos [em termos de incidência das mutações]”, afirmou ao

iG

John McGrath, principal autor da pesquisa da Universidade Queensland, em Brisbane, Austrália.

Os resultados obtidos com camundongos mostraram que ao cruzar machos idosos e jovens com fêmeas novas os primeiros geraram descendentes com até seis mutações genéticas ligadas, em humanos, a estas doenças – os filhotes de animais jovens não apresentaram essas modificações. Mais especificamente, os pesquisadores descobriram que um a cada seis ou sete descendentes dos pais mais velhos apresentam ao menos uma das mutações. O trabalho, no entanto, não prova que as mutações ocorridas ao cruzar os camundongos apareceriam também em humanos.

A equipe planeja agora fazer a mesma análise com um maior número de camundongos para ver se aparecem novas mutações relacionadas a doenças. “Com isso, poderemos caracterizar melhor o impacto das mutações na estrutura cerebral e no comportamento com mais detalhe”, explicou McGrath.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.