Museu inglês receberá tesouro de 160 kg de moedas romanas

Maior conjunto de moedas antigas já encontrado em um só recipiente, tesouro contém peças de prata cunhadas por imperador

NatGeo |

NatGeo
Tesouro inclui moedas com a face de Carausius, que se proclamou imperador da Grã-Bretanha
Cinquenta mil moedas que foram encontradas num campo de Somerset, na Inglaterra, em 2010, são o maior tesouro de moedas descoberto num mesmo recipiente – e o segundo maior tesouro de moedas antigas já descoberto na Grã-Bretanha, de acordo com o Museu Britânico.

As moedas, juntamente com joias recém-descobertas da Idade do Ferro – ambos tesouros encontrados por caçadores amadores de relíquias – serão compradas por museus, graças a uma série de doações e dotações, anunciaram autoridades recentemente. As moedas irão para o Museu de Somerset, que as terá em exibição assim que reabrir, em meados do ano.

O lote, a maior parte do qual foi limpo e restaurado, contém quase 800 moedas cunhadas por Carausius, um general romano que se declarou imperador da Grã-Bretanha no ano 286 e governou por sete anos, antes de ser assassinado pelo tesoureiro.

Nesses sete anos, Carausius expandiu seu império, em parte, por meio de propaganda – por exemplo, emitindo moedas de prata de alta qualidade com sua cara.

O tesouro também contém moedas mostrando os fundadores míticos de Roma, Rômulo e Remo, mamando numa loba, uma cena nunca antes encontrada em moedas de Carausius. Ele pode tê-la para associar sua imagem à do Império Romano legítimo.

“Ele era um grande propagandista”, disse o arqueólogo Sam Moorhead, do Museu Britânico. “ele fundamentalmente introduziu as moedas assim que chegou ao trono”.

As moedas do imperador temporário são as mais recentes do tesouro, o que sugere que o conjunto data de não antes que 293, já que Carausius foi morto nesse ano.

A descoberta também muda a forma como arqueólogos encaram esses tesouros. Costuma-se supor que moedas enterradas fossem tesouros escondidos temporariamente, por proprietários temerosos com invasões.

Mas este tesouro – pesando 160 kg e concentrado num único pote de cerâmica – jamais poderia ter sido levado, de uma vez só, para seu esconderijo, dizem arqueólogos.

Em vez disso, ele era provavelmente uma oferenda ritual – um hábito britânico que precede a chegada dos romanos. Sepultamentos de moedas eram mais comuns na Grã-Bretanha do que em outras áreas romanas, disseram Moorhead e colegas.

O tesouro foi descoberto por um entusiasta dos detectores de metais, Dave Crisp, que estavam vasculhando uma área rural, com autorização do dono. Sob a lei britânica, o valor de qualquer tesouro encontrado em terra particular é dividido entre o dono da área e o descobridor.

    Leia tudo sobre: arqueologiamoedasreino unido

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG