Mundo aguarda anúncio de existência de 'partícula de Deus'

Pesquisadores divulgam nesta terça-feira os novos resultados da busca pelo bóson de Higgs

BBC Brasil |

selo

Getty Images
Simulação visual de um Bóson de Higgs: sons da "partícula de Deus"
A comunidade científica vive a expectativa do anúncio de que pesquisadores podem ter encontrado evidências que comprovem a existência da chamada "partícula de Deus" – o bóson de Higgs.

Ela representa um mecanismo ainda não comprovado, que daria massa a todas as outras partículas. O bóson de Higgs é uma "partícula fundamental", uma das peças básicas da construção do universo. Ele também é considerado o pedaço que falta na principal teoria da física de partículas - conhecida como Modelo Padrão - que descreve como partículas e forças interagem.

Rumores sobre os resultados das pesquisas mais recentes começaram a circular semanas antes do anúncio, que está previsto para a tarde desta terça-feira, em um encontro científico.

É possível que os cientistas consigam somente fazer insinuações a respeito da identificação do bóson de Higgs, já que as equipes de pesquisa ainda não teriam dados suficientes para anunciar uma descoberta formal.

Saiba mais: O que é o bóson de Higgs e como ele afeta a Física

No entanto, a maioria dos físicos afirma que não encontrar a partícula pode ser tão interessante quanto encontrá-la no lugar onde a teoria prevê que ela esteja.

"Se não a encontrarmos será - de certo modo - ainda mais excitante, mas de qualquer modo, é uma situação onde só temos a ganhar", disse o físico de partículas Stefan Soldner-Rembold, da Universidade de Manchester, na Grã-Bretanha.

Leia mais:
LHC anuncia que está perto de encontrar a “partícula de Deus”
Partícula "mais veloz que a luz" pode ser revolução na física
Fermilab pode ter encontrado nova partícula ou força da natureza
LHC recria matéria que existiu no início do universo
Equipe dos EUA estabelece prazo final para achar bóson de Higgs
CERN: há cada vez menos chances de encontrar "partícula de Deus"

"Se a encontrarmos, saberemos que a teoria está completa, mas ainda há mais coisas a pesquisar. Se não a encontrarmos, saberemos que há algo que ainda não entendemos."

Mecanismo do universo
Encontrar o bóson de Higgs é o principal objetivo do Grande Colisor de Hádrons (GCH), na Suíça, um projeto que custou US$ 10 bilhões (R$ 18 bilhões).

Atualmente, o colisor abriga dois projetos - Atlas e CMS - que procuram separadamente pela partícula.
A excitação é grande entre os físicos que trabalham no laboratório Cern, a organização baseada em Genebra que opera o GCH, por causa de insinuações de que os pesquisadores podem ter isolado o bóson.

"É um momento fantástico, você consegue sentir que as pessoas estão entusiasmadas", disse à BBC Christoph Rembser, pesquisador sênior do experimento Atlas.

Segundo os cientistas, quando o universo esfriou após o Big Bang, uma força invisível conhecida como o campo de Higgs teria se formado juntamente com o bóson de Higgs.

É este campo que dá massa às partículas fundamentais que formam os átomos. Sem ele, estas partículas passariam pelo cosmos na velocidade da luz e não conseguiriam se aglutinar.

O modo como o campo de Higgs trabalha foi associado ao modo como fotógrafos e repórteres se reúnem ao redor de uma celebridade. O grupo de pessoas são "atraídos" fortemente pela celebridade e criam resistência ao seu movimento em um salão, por exemplo.

Dessa maneira, eles dão "massa" àquela celebridade, tornando sua movimentação mais lenta.
"A questão do (bóson de) Higgs é que sempre dizemos que precisamos dele para explicar a massa, mas sua importância real é que precisamos dele para entender o universo", disse à BBC Tara Shears, física especializada em partículas, da Universidade de Liverpool.

"Descobrir a partícula confirma que a abordagem que estamos usando para entender o universo está correta."

Estas preocupações motivam o esforço do Cern para destacar o bóson de Higgs e outros fenômenos usando o GCH.

O experimento acontece em um túnel circular de 27 quilômetros de comprimento repleto de imãs que "conduzem" partículas de prótons pelo imenso anel.
Em certos pontos do trajeto, o colisor faz com que os feixes de prótons se choquem uns com os outros a uma velocidade próxima à velocidade da luz, para que seja possível detectar outras novas partículas nos resultados da colisão.

Caça à partícula
O Atlas e o CMS procuram sinais da partícula entre bilhões de colisões que ocorrem em cada experimento do GCH. Evidências da existência dela apareceriam como pequenos "picos" nos gráficos dos físicos.

Rumores que circulam entre os cientistas dizem que os dois projetos encontraram sinais do bóson de Higgs com níveis entre 2,5 e 3,5 sigma de certeza.

Estes números representam uma medida da probabilidade de que estes sinais tenham acontecido por acaso, e não por um fenômeno físico.

Se estes números forem anunciados nesta terça-feira, o Cern não poderá fazer uma reivindicação definitiva da descoberta.

Três sigmas são considerados como "observação" de um fenômeno e cinco são considerados o limiar de uma descoberta.

O diretor geral do Cern, Rolf-Dieter-Heuer, disse à equipe de funcionários da organização, por e-mail, que o anúncio não seria conclusivo.

O "sim" ou "não" definitivo para o bóson de Higgs só deverá acontecer em 2012.

    Leia tudo sobre: bóson de Higgsfísica

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG