Morre cientista que alertou sobre riscos do buraco da camada de ozônio

Sherwood Rowland tinha 84 e sofria de mal de Parkinson

iG São Paulo |

AP
F. Sherwood Rowland em foto tirada em 1989
Morreu neste sábado (10) o cientista F. Sherwood Rowland , prêmio Nobel de química que alertou o mundo sobre o buraco da camada de ozônio. Rowland era professor da Universidade da Califórnia, tinha 84 e morreu em decorrência do mal de Parkinson.

Em 1995, juntamente com três cientistas ele foi laureado com o prêmio Nobel de química por explicar como a camada de ozônio é formada e como processos químicos na atmosfera proviocam a sua decomposição.

O prêmio foi concedido mais de duas décadas depois de Rowland e o pós-doutorando Mario Molina calcularem que se o uso humano de clorofluorocarbonos - um subproduto de aerossóis, desodorantes e outros produtos domésticos - continuassem, a camada de ozônio seria esgotada em questão de décadas. O trabalho foi desenvolvido a partir da descoberta feita pelo cientista Paul Crutzen.

O prognóstico da dupla de pesquisadores chamou muita atenção e foi duramente questionado, pois as propriedades não tóxicas do CFC eram consideradas benéficas para o meio ambiente. O trabalho só ganhou reconhecimento mais de uma década depois de sua publicação com a descoberta de que havia um buraco na camada de ozônio sobre as regiões polares.

Leia mais:
Buraco da camada de ozônio se manteve estável nos últimos 10 anos
Infográfico: Como ocorre o aquecimento global?
Falta de ozônio ajuda a manter Antártida fria
Buraco na camada de ozônio do Ártico é equivalente ao da Antártida
Groenlândia é mais vulnerável ao aquecimento do que se pensava

(Com informações da AP)

    Leia tudo sobre: camada de ozônionóbel

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG