Morcegos avaliam sons com neurônios que trabalham em grupo

Cientistas estudaram os morcegos inserindo eletrodos em seus cérebros e registrando sua atividade cerebral

The New York Times |

Getty Images
Pesquisadores descobriram que neurônios dos morcegos têm funções definidas
Um dos segredos para a intensa habilidade dos morcegos de processar o som é que seus neurônios trabalham em equipe para conduzir a importância de certos sinais – como uma chamada de raiva ou um pedido de socorro – ao mesmo tempo em que reduzem o efeito de sons menos importantes, relataram pesquisadores do Centro de Medicina da Universidade de Georgetown, no encontro anual da Sociedade de Neurociência em San Diego, na semana passada.

“Funciona como um time de basquete”, disse Bridget Queenan, neurocientista envolvida no estudo.

“Existem neurônios no cérebro com funções definidas – assim como cinco rapazes numa quadra”.
Em diferentes instâncias, dependendo do sinal específico que precisa ser urgentemente processado, os neurônios agem de maneiras diferentes.

Por exemplo, poderia ser “um neurônio processando o som, outro ‘silenciando’ os neurônios vizinhos, e outro ajudando a impulsionar a atividade do primeiro neurônio”, disse Queenan.

Ela e seus colegas estudaram os morcegos inserindo eletrodos em seus cérebros e registrando sua atividade cerebral após uma série de tons e chamadas.

Eles usaram isso para identificar o grau de individualidade com que os neurônios reagiam a chamadas em várias instâncias, como em situações barulhentas ou silenciosas.

“Agora estamos começando a ver um pouco de como esses agentes trabalham juntos num contexto específico”, disse ela. “É como se tirássemos fotos das telas de um jogo em diferentes pontos da ação”.
Estudos como este podem ajudar pesquisadores a compreender melhor como funciona o sistema auditivo humano.

Nos humanos, o ruído ambiente, como um congestionamento ou conversas no fundo, pode ser ouvido e ignorado, enquanto os barulhos importantes, como um choro de bebê ou um alarme, podem gerar reações imediatas.

    Leia tudo sobre: morcegosneurociência

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG